Economia, Notícias

Em ritmo lento, mercado de trabalho cria 116 mil vagas formais em abril

Em ritmo lento, mercado de trabalho cria 116 mil vagas formais em abrilO emprego com carteira assinada voltou a crescer em abril, com a criação de 115,8 mil vagas formais e expansão do mercado de trabalho em todos os setores. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), com o resultado do mês passado as admissões superaram as demissões em 336,8 mil postos de trabalho formais no acumulado do ano. O presidente Michel Temer comemorou os números na sua conta em rede social. “Os defensores da crise perderam. O otimismo voltou.”

Apesar de os dados mostrarem que esse foi o melhor abril em cinco anos, o resultado está longe de ser considerado espetacular por especialistas em trabalho. Uma recuperação mais robusta, com reposição das 3 milhões de vagas perdidas durante 2015 e 2016, ápice da crise econômica, não deve ser observada neste ano.

“É sempre uma boa notícia que estão sendo criados postos. Porém, o que acontece é que a reposição das vagas não está acontecendo em uma velocidade que permita criar uma dinâmica positiva no mercado de trabalho”, disse Manuel Thedim, diretor-executivo do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade.

A incerteza do cenário eleitoral e a turbulência internacional, com perda de valor do real em relação ao dólar, não ajudam. “Isso segura a decisão de contratação. O que precisamos é de previsibilidade, um pouco menos de turbulência”, disse Thedim.

A perspectiva para a taxa de desemprego é pior: analistas dizem acreditar que mesmo no ano que vem não haverá recuperação expressiva. Isso porque uma eventual melhora da economia pode reduzir o desalento, que é quando a pessoa não busca mais trabalho por desânimo com a possibilidade de encontrar vagas. Com mais gente buscando trabalho, a taxa tende a se elevar.

“Ainda há muitas pessoas trabalhando menos horas do que gostariam ou que pararam de procurar emprego. Essa situação pode mudar se a economia melhorar”, afirmou Thiago Xavier, economista da consultoria Tendências.

Setores

O destaque, segundo o Ministério do Trabalho, foi o setor de serviços, com 64,2 mil postos de trabalho, seguido pela indústria da transformação, com 24,1 mil. Todas as regiões do país experimentaram saldo positivo. A região que teve o melhor desempenho foi a Sudeste, com 78 mil vagas, seguida pela Centro-Oeste (mais 15.700), Sul (13.200), Nordeste (4.400) e Norte (4.300).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*