Brasil, Editorias, Notícias

Em primeira operação de 2018, Lava Jato mira desvios em concessão no Paraná

Em primeira operação de 2018, Lava Jato mira desvios em concessão no Paraná
Mattos: TCU identificou em 2012 desequilíbrios nos contratos. Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Folhapress

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta (22) a 48ª fase da Operação Lava Jato. Batizada de Integração, mirou a apuração de casos de corrupção ligados aos procedimentos de concessão de rodovias federais no Paraná que fazem parte do chamado anel da integração, que liga cidades do Estado.

Policiais federais prenderam seis pessoas temporariamente e executaram 55 mandados de busca e apreensão expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba para apurar crimes de corrupção, fraude a licitações e lavagem. A ação foi realizada simultaneamente em SC, RJ, SP e PR.

Entre os presos está Nelson Leal Júnior, diretor-geral do DER (Departamento de Estradas de Rolagem) do Paraná. Segundo as investigações, Leal teria se beneficiado de grandes volumes em espécie. Um dos mandados de busca e apreensão foi efetivado na Casa Civil do Estado e teve como alvo Carlos Nasser, assessor do órgão.

Segundo a PF, as investigações detectaram suspeita do uso das estruturas de lavagem de dinheiro reveladas na Lava Jato para operacionalizar os recursos ilícitos pagos a agentes públicos, principalmente por meio dos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran, ambos já investigados pela operação.

Tacla Duran, segundo o Ministério Público, teria utilizado seu escritório de advocacia para firmar contratos fictícios e produzir dinheiro em espécie. As investigações da PF também apontam que uma das concessionárias teria utilizado os serviços de Adir Assad e Duran para operacionalizar, ocultar e dissimular valores oriundos de corrupção.

Em entrevista, o procurador Diogo Mattos afirmou que auditoria do Tribunal de Contas da União identificou em 2012 desequilíbrios nos contratos e determinou que o problema fosse resolvido em um ano. Então, o DER contratou uma fundação para realizar um estudo, que indicou a necessidade de reduzir a tarifa do pedágio em cerca de 19%. Mattos afirmou que o DER desconsiderou o estudo, que teria custado R$ 3 milhões, e elaborou internamente um novo, que concluiu que a tarifa deveria crescer 24%.

Outro lado

Em nota, o governo do Paraná afirmou que o governador Beto Richa (PSDB) determinou investigação interna sobre as suspeitas levantadas na Lava Jato. O governo também informou que Leal foi afastado de suas funções.
O Dnit disse que eventuais servidores citados não estão mais no departamento. Duran diz que congressistas apresentaram à PGR acusações que ele fez contra a força-tarefa da Lava Jato, o que torna os procuradores e Moro “impedidos de conduzir” processos contra ele.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*