Economia, Notícias

Em 2017, mercado de trabalho do ABC encolheu pelo quarto ano consecutivo

Em 2017, mercado de trabalho do ABC encolheu pelo quarto ano consecutivoO mercado de trabalho do ABC encolheu 0,31% no ano passado, com o extinção de 2.281 em­pregos, segundo dados da Relação Anual de Infor­mações Sociais (Rais), divulgados ontem (28). Apesar de ser negativo, trata-se do me­lhor resultado desde 2013.

Foi a quarta queda consecutiva no estoque de vagas da região. Nesse período, os sete municípios perderam 104,4 mil postos e o nível de ocupação diminuiu 12,5%. O total de trabalha­dores (728.957) é o menor desde os 699,9 mil registrados no último dia de 2007.

Os dados da Rais diferem dos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que apontaram o fechamento de 2.791 vagas formais no ano passado. Ocorre que há diferenças.

Assim como o Caged, a Rais é um registro administrativo enviado pelas empresas ao Ministério do Trabalho. Porém, o Caged contempla empregos com carteira assinada, enquanto a Rais reporta postos formais de qualquer tipo: estatutários, celetistas e temporários. A Rais refere-se ao dia 31 de dezembro de cada ano, enquanto os dados do Caged são contabilizados mensalmente.

No ano passado, o Produ­to Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,0%. O resultado foi puxado pelo aumento do consumo das famílias, decorrente da queda da inflação e da liberação das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Em termos de geração de empregos, comércio e serviços foram os mais beneficiados.

Maior empregador do ABC, os serviços criaram 6.317 vagas no ano passado, com aumento de 2,02% no estoque, para 319,7 mil. Com isso, a participação do setor cresceu de 42,85% para 43,85%.

Resultado semelhante te­­ve o comércio, que abriu 2.434 postos de trabalho, com aumento de 1,73% na ocupação, para 143,3 mil (19,65%).

INDÚSTRIA

No sentido contrário, o par­que fabril do ABC registrou o quarto ano consecutivo de queda no emprego. Somente em 2017 foram fechadas 8.568 vagas, com redução de 4,5% no estoque do setor – o equivalente a uma fábrica da Volkswagen a menos.

Nos últimos quatro anos, o setor perdeu 76,4 mil empregos e o nível de ocupação caiu 29,5%. Significa que, de cada dez vagas existentes no dia 1º de janeiro de 2014, três foram extintas. No mesmo período, a participação da indústria no mercado de trabalho do ABC caiu de 31% para 25%.

Principal motor da indús­­tria na região, o setor automo­tivo interrompeu em 2017 três anos seguidos de queda na produção e registrou alta de 25,2% puxada pelas exportações. Montadoras como Volkswagen e Scania voltaram a anunciar investimentos e a contratar, mas a geração de empregos ficou circunscrita às linhas de montagem.

A construção fechou 3.221 vagas e terminou o ano com estoque de 30,4 mil trabalhadores.

 

São Caetano e Santo André são os únicos municípios da região a ter saldo positivo

Em um ano no qual o mer­cado de trabalho do ABC voltou a encolher, São Caetano e Santo André foram os únicos municípios da região a registrar, em 2017, aumento no estoque de empregos.

O melhor resultado foi o de São Caetano, que contabilizou a abertura de 2.111 postos de trabalho, com aumento de 2,08% na ocupação, segundo dados da Relação Anual de Infor­mações Sociais (Rais), di­vulgados ontem (28).

O resultado foi puxado, principalmente, pelos 5.567 postos de trabalho criados no setor de serviços, mais do que suficientes para compensar perdas ocorridas na indústria (-4.262) e na construção civil (-322).

Na vizinha Santo André, os dados do Ministério do Trabalho apontam a geração de 3.173 vagas. Os serviços também deram a principal contribuição, com a criação de 3.780 empregos – destaque para as atividades de ensino (1.457) e de alojamento e reparação (980).

No sentido contrário, Rio Grande da Serra registrou o pior resultado da região, com queda de 10,1% no estoque de trabalhadores, ou o fechamento de 403 vagas.

Em números absolutos, o pior saldo foi o de São Bernardo, com o fechamento de 3.147 postos de trabalho, queda de 1,25% no estoque.

O resultado foi influenciado por vagas fechadas na indústria (-1.680), na construção civil (-942) e nos serviços (-981). O comércio, por sua vez, encerrou o ano no “azul”, com a geração de 736 empregos.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*