Brasil, Editorias, Notícias

Em 1ª viagem ao Nordeste, Temer evita eventos abertos

Temer na Estação de Bombeamento. Foto: Beto Barata/PR

Após sete meses à frente do Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer fez ontem (9) sua primeira visita ao Nordeste, considerado reduto eleitoral do PT, e optou por eventos fechados ou em pequenas cidades para evitar protestos. Em Fortaleza, única capital de seu roteiro, Temer participou de um encontro para marcar a renegociação de dívidas rurais com o Banco do Nordeste, realizado em auditório fechado com capacidade para até 400 pessoas.

Antes de chegar à capital cearense, o peemedebista visitou os municípios de Surubim e Floresta, ambas em Pernambuco, onde anunciou investimentos para obras no agreste e foi alvo de críticas de políticos e moradores da região que foram impedidos de acompanhar o evento.

O deslocamento do presidente até o centro de treinamento do Banco do Nordeste, em Fortaleza, foi feito de helicóptero, de modo que ele ficasse o menos exposto possível ao público. Segundo a reportagem apurou, auxiliares temiam que houvesse manifestações na porta do evento, organizadas pelo grupo dos ex-governadores do Ceará, Ciro e Cid Gomes, ambos do PDT e adversários do peemedebista.

O Planalto preferiu então programar uma logística mais reservada para o transporte do presidente e sua comitiva, composta pelos ministros Hélder Barbalho (Integração Nacional), Bruno Araújo (Cidades) e Marcos Beltrão (Turismo), além dos senadores cearenses Eunício Oliveira (PMDB) e Tasso Jereissati (PSDB).

Apesar dos cuidados, assessores próximos ao presidente consideram que Temer precisa “desencastelar” e entrar em contato mais direto com a sociedade, caso queira reverter seus baixos índices de popularidade. De perfil comedido, Temer prefere eventos administrativos e precisou ser convencidos por aliados a viajar para o Norte e Nordeste.

Na porta do Banco do Nordeste, cerca de 70 representantes de movimentos de esquerda protestaram contra o peemedebista e a PEC do teto. O presidente, porém, não ouviu nem viu os manifestantes pois o auditório em que estava era distante do local em que estavam.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*