Diadema, Política-ABC, Sua região

Eleição no PT de Diadema deve ter duas chapas

Mário Reali: “a disputa é sempre muito saudável quando tem o debate político”. Foto: Eberly LaurindoO prazo para inscrição de chapas na disputa pela presidência municipal do PT se encerra em 6 de março e em Diadema tudo se encaminha para que haja apenas dois nomes na disputa: o da ex-vereadora Irene dos Santos, representante da Articulação de Esquerda; e de Adi dos Santos Lima, da Articulação Sindical, maioria hoje dentro do partido.

O presidente da legenda, ex-prefeito da cidade Mario Reali, destacou que agora também é o momento de sentir como a articulação estadual e nacional se dá, devido à sua influência no cenário municipal. “Vamos ver como a gente pode conduzir para ter um o processo tranquilo. A disputa é sempre muito saudável quando tem o debate político. No âmbito municipal as divergências são muito localizadas, se a gente consegue ter uma condução que faça um recorte, um número de chapas que representem realmente as grandes divergências para ter o debate politico, é muito mais interessante do que ficar um monte de chapas para disputa de interesses mais pessoais, mais localizados”, relatou.

Com uma bancada que foi reduzida à metade na última eleição, passando de seis vereadores para apenas três, o partido conta cada vez mais com as outras forças, como os sindicatos e os movimentos populares. “A bancada é a trincheira mais importante na disputa da política local. Mas temos outras instituições que têm um peso muito grande, os sindicatos tem um papel muito importante no ABC, fundamental na disputa política, os movimentos por moradia, os movimentos sociais, também tem um papel preponderante”, pontuou.

A experiência de uma longa disputa para a indicação do candidato a prefeito em 2016, que culminou no nome do ex-vereador Manoel Eduardo Marinho, o Maninho, mas que também foi apontado como fator de desunião da legenda, segundo Reali, não tem paralelo com a disputa pela presidência. “É outra conjuntura, uma questão mais interna e tem que repercutir o que a militância quer”, finalizou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*