Arte & Lazer, Cinema

‘Eduardo e Mônica’ chega aos cinemas; casal de amigos inspirou Renato Russo na canção

Longa traz Alice Braga e Gabriel Leone nos papéis-título. Foto: Divulgação
Longa traz Alice Braga e Gabriel Leone nos papéis-título. Foto: Divulgação

Com Alice Braga e Gabriel Leone nos papéis-título, o filme percorreu renomados festivais internacionais, como os de Miami e Edmonton, onde conquistou em 2020 o prêmio de Melhor Filme.

Um dos lançamentos nacionais mais aguardados de 2022, o longa-metragem “Eduardo e Mônica”  chega nesta quinta-feira (20) nas telonas. Inspirado nos populares personagens criados por Renato Russo, a comédia romântica marca a reedição da parceria entre o diretor René Sampaio e a produtora Bianca De Felippes, responsáveis também por “Faroeste Caboclo” (2013), outro grande sucesso da banda brasiliense Legião Urbana, cuja adaptação cinematográfica foi vista por mais de 1,5 milhão de espectadores.

Com Alice Braga e Gabriel Leone nos papéis-título, o filme percorreu renomados festivais internacionais, como os de Miami e Edmonton, onde conquistou em 2020 o prêmio de Melhor Filme. O longa tem produção da Gávea Filmes, Barry Company e Fogo Cerrado Filmes, coprodução da Globo Filmes e distribuição da Downtown Filmes e Paris Filmes.

‘Eduardo e Mônica’ foi filmado em Brasília, no Rio de Janeiro e na Chapada dos Veadeiros durante oito semanas em 2018.  A adaptação da famosa canção de Renato Russo é uma história de amor que acompanha o relacionamento de Mônica e Eduardo, que precisam superar as muitas diferenças para viver um grande amor na Brasília dos anos 80.

“O filme é uma delicada história de amor que fala, entre outras coisas, sobre como é possível amar e respeitar quem pensa muito diferente de você. Em alguma medida, todos já foram o Eduardo ou a Mônica em alguma relação”, define o diretor René Sampaio. “Era muito importante para a gente ser fiel ao espírito do Renato. Das músicas compostas por ele, esta é a mais solar. Então, a ideia era manter essa energia”, acrescenta Bianca De Felippes.

Gabriel Leone e Alice Braga trabalharam juntos pela primeira vez e vivem os dilemas dos personagens que se apaixonam e começam um relacionamento, mesmo tendo idades e personalidades completamente diferentes. Também estão no elenco Otávio Augusto (como Bira, avô de Eduardo), Juliana Carneiro da Cunha (Lara, mãe de Mônica), Victor Lamoglia (Inácio, amigo de Eduardo), Bruna Spínola (Karina, irmã da Mônica) e Fabrício Boliveira em participação especial.

Com roteiro assinado por Matheus Souza em parceria com Claudia Souto, Michele Frantz e Jéssica Candal, o filme se passa em 1986, ano de lançamento do disco ‘Dois’, da Legião Urbana, e o espectador atento vai encontrar homenagens a emblemáticos eventos do período. A trilha sonora original foi composta por Lucas Marcier, Fabiano Krieger e Pedro Guedes, do ARPX Estúdio. O filme tem orçamento total de R$ 10 milhões O patrocínio é do FAC / GDF, Rio Filme, Telecine, BRDE, FSA e Ancine, com investimento do BNDES e distribuição da Downtown Filmes e Paris Filmes.

A MÚSICA

Renato Russo (1960-1996) se inspirou em diversas pessoas conhecidas para criar os personagens Eduardo e Mônica de sua célebre canção, que foi apresentada pela primeira vez, em 1982, no álbum “O Trovador Solitário”, com apenas voz e violão. A versão mais conhecida é a regravação que aparece no álbum “Dois”, de 1986, com um final diferente. O músico afirmava que vários amigos o ajudaram a criar Eduardo, como Philippe Seabra, André Pretorius, Dado Villa-Lobos e até ele mesmo, Renato, dizia ser Eduardo, só que menos bobo.

Só não havia dúvida sobre a inspiração para Mônica: sua grande amiga Leonice de Araújo Coimbra, ou apenas Leo Coimbra, casada com Fernando Coimbra, hoje embaixador do Brasil no México. Casados há 42 anos, eles se tornaram a inspiração oficial para os personagens.

Eles conheceram o músico nos anos 1980, em um centro acadêmico da Universidade de Brasília, onde Fernando estudava Antropologia Depois do show, logo desenvolveram uma amizade fraterna.

Renato tinha um especial carinho por Leonice, amiga para quem ele apresentava seus trabalhos ainda na fase de criação. Foi por telefone, por exemplo, que ela ouviu pela primeira vez a interpretação de “Eduardo e Mônica”, dizendo que ela e Fernando, além de um outro casal de amigos tinham sido sua fonte de inspiração. Como uma da poucas semelhanças com a personagem era a tinta no cabelo, Leonice não se importou tanto com a história

“Da canção, só me encaixo quando ele diz que Mônica adorava os filmes de Godard e tinha tinta no cabelo – como sou artista plástica, às vezes tinha mesmo tinta no cabelo. Apesar de ter tido avó alemã, não falo nada dessa língua. E nunca fiz Medicina. Temos três filhos. Na época da música, os meninos eram pequenos, e nenhum deles ficou de recuperação. Talvez o que ele quisesse mostrar é que duas pessoas podem se encontrar, se casar e ser felizes juntas, mesmo que venham de realidades diferentes”, destacou Leonice em 2004, em entrevista à revista Flashback.

Leonice sempre manteve um contato muito próximo e carinhoso com Renato Russo, a ponto de ela ter sido uma das primeira pessoas para quem o músico revelou ter contraído o vírus da aids. Na época, ela era mãe de dois filhos do primeiro casamento e namorava Fernando, que era, de fato, mais novo que ela.

Mesmo com as constantes viagens do casal por conta das obrigações diplomáticas de Fernando, Renato Russo se manteve próximo da família, a ponto de deixar boas recordações em Nina, filha de Leo e Fernando. “Lembro como se fosse ontem o som da sua voz, suas brincadeiras, seu jeitinho”, escreveu ela, no Instagram.

 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*