Economia, Notícias

Economia não será reaberta na Grande São Paulo, diz Meirelles

Economia não será reaberta na Grande São Paulo, diz Meirelles
Meirelles: “Vamos começar pelo oeste do Estado, em cidades com menor densidade e maior capacidade de atendimento hospitalar”. Foto: Arquivo

O secretário estadual da Fazenda e do Planejamento, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira (25) que o governo estadual “não está para anunciar” a reabertura da economia na Região Metropolitana de São Paulo. Segundo o chefe da pasta, o que há, por enquanto, é o plano de iniciar reabertura gradual no Interior de São Paulo a partir do próximo domingo, dia 1º de junho.

“Vamos começar pelo oeste do Estado, em cidades com menor densidade e maior capacidade de atendimento hospitalar. Na região metropolitana, a reabertura vai depender da evolução do número de casos e da capacidade hospitalar”, afirmou o secretário, que afirmou que o preenchimento dos leitos na região metropolitana é de 91%, “um número preocupante”.

Meirelles disse também que a reabertura da economia, no Interior, não será igual para todos os setores. “Estamos com grupos de trabalho que estão desenvolvendo protocolos para cada setor”, afirmou.

O secretário afirmou ainda que trabalha com um cenário no qual o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro terá queda de 7% em 2020, maior que a estimada pela mediana das previsões do boletim Focus (5,89%). Segundo o chefe da pasta da Fazenda, o Estado de São Paulo deverá ter retração semelhante, com recuo esperado de 30% na arrecadação de impostos em maio e junho.

“Esperamos que a recuperação da economia tenha início até o final do ano, mas só vamos atingir mais à frente o nível de atividade em que estávamos antes da crise, o que vai depender da velocidade da recuperação, que é pouco previsível, por causa da pandemia”, disse o secretário, que foi presidente do Banco Central nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ministro da Fazenda na gestão de Michel Temer (MDB).

SOCORRO

Meirelles afirmou ainda que, diante da perda de 30% prevista na arrecadação do Estado entre maio e junho, o projeto de socorro emergencial do governo federal evita o déficit de caixa do Estado. “Alivia um pouco a situação, evita o déficit de caixa do estado, mas não resolve o problema. Então, o Estado tem de fazer controle rígido de despesas e da arrecadação”, afirmou o secretário, ao comentar o socorro de R$ 60 bilhões que a União deve liberar a Estados e municípios, numa live promovida pela Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil (Britcham).

O secretário acrescentou que quarta-feira é o último dia para a sanção do projeto pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Dia 27 é o prazo legal para sanção. Se não sancionar, existe a sanção tácita ou promulgação pelo presidente da Câmara ou, se não fizer, pelo presidente do Senado”, comentou Meirelles.

O secretário da Fazenda e do Planejamento do Estado de São Paulo afirmou que a atuação do Banco Central durante a pandemia do novo coronavírus “está na direção correta” e “pode ir um pouco mais fortemente” na política monetária. “Há espaço para queda de taxa de juros”, disse.

Meirelles reiterou que o BC trabalha para perseguir a meta de inflação e que as expectativas do mercado indicam que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em torno de 2% em 2020 ou abaixo disso. “Se a inflação começar a subir, o BC vai, evidentemente, levar em conta modelos e projeções e ter ação de política monetária, para a inflação atingir a meta”, afirmou.

O secretário ressaltou que a política monetária é, essencialmente, trabalho de curto prazo e disse que o BC tem a calibragem da economia nas mãos. “Se a economia cai, o BC tem de incentivar. Se houver superaquecimento, ou, antes disso, as projeções de inflação começarem a subir, o BC faz a política de contenção.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*