Editorias, Notícias

Economia do ABC mantém retomada, mas aguarda ajustes no próximo ano

Economia do ABC mantém retomada, mas aguarda ajustes no próximo ano
Setor industrial do ABC ainda segue vulnerável. Foto: Arquivo

Fluxo de crédito 11% maior, renda média com cres­cimento de 2,3%, alta de 11,9% na corrente de comércio exterior e criação de empregos industriais pela primeira vez desde 2011 indicam que o ABC encerrou a recente recessão que assolou o país. Porém, o fim desse ciclo não permite baixar a guarda.

“O ajuste das contas públicas sem dúvida será o principal desafio do novo governo que se inicia em 2019. Há de se lembrar que crises fiscais têm forte potencial para deflagrar crises econômicas. Só nos últimos 12 meses, o setor público brasileiro pagou o equivalente a 5,55% do PIB (Produto Interno Bruto) em juros. Isso afeta a capacidade de investimento do governo”, alertou o economista Sandro Maskio, do Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo, ao divulgar ontem (19) o 18º Boletim EconomiABC, que traz um balanço dos indicadores dos sete municí­pios até outubro contextualizadas no cenário nacional.

Para uma projeção de cres­cimento da economia brasileira de 1,3% em 2018 feita pelo Banco Central, inferior à expectativa do início do ano de alta de até 3,5%, o ABC registrou volume de operações de crédito cerca de 11% maior. A soma atingiu R$ 37 bilhões nos últimos 12 meses encerrados em agosto deste ano, o maior valor desde novembro de 2016. Os depósitos em pou­pança aumentaram 5,78%, registrando R$ 17 bilhões, o mais alto volume desde dezembro de 2015.

“Os dois indicadores são positivos em relação à trajetória de retomada da atividade eco­nômica”, pontua Maskio.

DESEMPREGO

Na outra ponta, porém, a taxa de desemprego chegou a 18,8% da População Economicamente Ativa (PEA) em setembro segundo a Fundação Seade – índice mais elevado de 2018 no ABC. No Brasil, o desemprego está em 11,7% da PEA. “Nos últimos meses não há evidências sólidas de redução do desemprego no ABC tendo em vista a flutuação apresentada no período”, disse Maskio, apontando a vulnerabilidade sobretudo do setor industrial.

Um exemplo está na balan­ça comercial. No acumulado de janeiro a novembro, o fluxo internacional do ABC teve superávit de US$ 417,4 milhões, 63,5% menor do que em igual período de 2017. A queda é resultado do aumento de 3% nas exportações, que somaram US$ 5,02 bilhões, frente ao crescimento de 23% das importações, que registram US$ 4,6 bilhões.

Isso ocorre porque o setor produtivo do ABC tornou-se importador de insumos industriais, levando a duas consequências: exposição às altas frequentes do dólar e ao aumento de custos, além do enfraquecimento da cadeia de fornecedores locais, impedindo que a economia regional se dinamize.

De qualquer forma, o período 2017-2018 registrou alta de 11,9% na corrente de comércio exterior, o que demonstra maior relação da economia local com a internacional.

Ao mesmo tempo, o ABC voltou a apresentar saldo positivo na geração de empregos formais, segundo o Ministério do Trabalho. Foram gerados mais de 10 mil empregos formais nos dez primeiros meses do ano, puxados por serviços e construção civil. Um destaque se refere aos mais de 1.200 empregos formais gerados no setor industrial da região, o que não ocorria desde 2011. Lembre-se, porém, que ABC perdeu mais de 68 mil postos de trabalho entre 2012 e 2017.

A lenta recuperação do emprego reflete na renda local. Segundo o Ministério do Tra­balho, a massa de renda dos trabalhadores formais do ABC somou R$ 2,3 bilhões em ou­tubro deste ano, 2,3% maior do que em outubro de 2017. Outubro último registrou renda mé­dia de R$ 3.164,79 por trabalha­dor formal na região, 6,13% aci­ma de igual mês de 2017.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*