Uncategorized

Diadema recebe prêmio de controle da tuberculose

A Prefeitura de Diadema continua obtendo sucesso no diagnóstico, acompanhamento e tratamento de pacientes com tuberculose, tanto que a cidade recebeu, pela 13ª vez consecutiva, o Prêmio de Qualidade nas Ações de Controle da Tuberculose (TB). A entrega da certificação ocorreu no Centro de Convenções Rebouças e foi concedido pelo Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de São Paulo.

A conquista coloca Diadema no seleto grupo de municípios que conseguiram 85% de cura em pacientes atendidos na rede municipal. Este ano, 119 moradores estão tratando a doença na cidade. No Brasil, são cerca de 67.000 casos novos e 4.500 mortes em decorrência da tuberculose. Os dados foram divulgados no último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para tratar a tuberculose é preciso tomar antibióticos por, no mínimo, seis meses. Caso o paciente deixe de tratar a doença, a enfermidade pode levar a morte. “A tuberculose é uma doença que, mesmo podendo ser prevenida e curada, pode levar à morte e causa muito sofrimento. Para controlar os casos na cidade, Diadema executa diversos programas. A doença é tratada como prioridade”, afirmou a coordenadora do Programa de Controle da Tuberculose em Diadema, Iriane Maria Sammarone Henriques.

SUSPEITA

O exame para diagnóstico pode ser feito em qualquer uma das 20 Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade. Os sintomas mais comuns da TB são tosse há mais de três semanas, febre vespertina, sudorese noturna e emagrecimento.

A responsável por causar a doença é a bactéria Mycobacterium tuberculosis, que se apresenta na forma bacilar. Ela pode atingir o pulmão, ossos, rins e meninges. A transmissão ocorre por tosses que eliminam os bacilos no ar e a contaminação ocorre, principalmente, por fatores individuais, como em pessoas com imunodeficiência, e fatores ambientais, como a falta de ventilação nos ambientes. A vacina BCG aplicada em crianças só previne em casos graves. Por isso, além de tomar a dose, é importante evitar aglomerações em ambientes fechados.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*