Diadema, Política-ABC, Sua região

Diadema envia ao Ministério da Saúde projeto de hospital com 241 leitos

Complexo hospitalar foi um dos maiores compromissos de campanha de Lauro Michels. Foto: Eberly LaurindoO Diário Regional teve acesso, em primeira mão, ao estudo preliminar do Complexo Hospitalar de Clínicas de Diadema (CHCD), que a prefeitura está encaminhando esta semana ao Ministério da Saúde, com o detalhamento de toda a obra, seu pré-dimensionamento e estimativa de investimento. No documento, que conta com 25 páginas, o prefeito Lauro Michels (PV) traça um histórico da saúde no município, bem como retrata a precária situação do atual Hospital Público, cujo prédio tem mais de 46 anos de construção.

Localizado na avenida Ulisses Guimarães, o novo complexo terá área de construção de 20 mil metros quadrados e deve consumir recursos da ordem de R$ 125 milhões em seus 11 pavimentos, mais cinco andares de garagem. Com estrutura digna de um hospital de grande porte, destacam-se a unidade de pronto atendimento, urgência, emergência adulto e pediátrica, produção diagnóstica; ala cirúrgica para pequenas e grandes intervenções, endoscopia, obstetrícia; internação geral e crítica, clínica médica, pediatria; psiquiatria, cirurgia geral, ginecologia; ortopedia e traumatologia, administração, educação e saúde, entre outras.

Por meio de um detalhado estudo, exigido pelo Ministério da Saúde, a administração municipal reconhece o déficit atual em vários setores do atendimento na saúde, bem como a impossibilidade de recuperação do Hospital Público.

O novo complexo será contemplado com 241 leitos, dos quais 65 para pacientes críticos, o que atenderá toda a demanda atual de Diadema. O centro cirúrgico terá cinco salas. A maternidade contará com três salas de parto, sendo duas cirúrgicas e uma de parto normal, além de cinco unidades pré-parto. O estudo de implementação do projeto destaca que foram considerados os perfis demográfico, socioeconômico e epidemiológico da população, bem como o cenário atual e as novas necessidades de crescimento.

A Unidade de Pronto Atendimento está prevista para ser construída em prédio anexo no mesmo terreno e deverá contar com 60 leitos de observação, dos quais 40 para adultos e 20 pediátricos. Outro destaque será a Unidade de Ensino e Pesquisa, que deverá abrigar a residência médica e multiprofissional, campos de estágio, entre outros setores.

Somente na Unidade de Urgência e Emergência haverá aproximadamente 30 médicos locados entre os períodos diurno e noturno. Essa unidade deverá ter cinco boxes de atendimentos, com duas salas de triagem, além de dez consultórios. Ainda consta no setor um Módulo de Urgência com salas de sutura, curativos, inalação, medicação em poltronas, coletas e serviço social.

Diagnósticos

A Unidade de Produção Diagnóstica será aparelhada para ultrassonografia, raio-x, tomografia e análises clínicas. Nos documentos aos quais o Diário Regional teve acesso não há menção ao tempo de construção do complexo hospitalar, mas fontes legadas à Secretaria Municipal de Saúde acreditam que, após a aprovação de todos os projetos, a construção deve estar pronta entre 24 e 30 meses.

Esse estudo é a segunda versão do governo municipal, concluída no dia 8 de março e agora enviada ao Ministério da Saúde. O próprio prefeito Lauro Michels deve entregar o documento aos governos federal e estadual. A construção do novo complexo hospitalar foi um dos maiores compromissos de campanha de Michels.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*