Diadema, Minha Cidade, Sua região

Desocupações causam apreensão e protestos em Diadema

Desocupações causam apreensão e protestos em Diadema
Lacerda fala em grande ato paralisando a Imigrantes no feriado. Foto: Arquivo

A possibilidade de desocupações em áreas de domínio da Ecovias, que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, está causando apreensão e motivando protestos em Diadema. De acordo com informações obtidas pelo Diário Regional, 14 famílias estariam para ser removidas. Na quarta-feira (25), nos períodos da tarde e da noite, manifestantes bloquearam a rodovia na altura da cidade. A expectativa é outro grande ato seja realizado hoje (27).

O vereador Ronaldo Lacerda (PT), ligado aos movimentos habitacionais, afirmou que o caso dessas 14 famílias se trata de um erro da empresa que cadastrou os moradores nas áreas de domínio da rodovia. “Não são 14 casas vizinhas. São em pontos aleatórios. Essa falha já havia sido reconhecida pela prefeitura, pela CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), pela Ecovias, mas agora voltaram atrás”, afirmou.

O parlamentar lembrou que em 2013 foi assinado acordo entre a administração municipal, a Ecovias e a CDHU, no qual havia o compromisso de que não seriam realizadas novas desocupações e 450 das 600 famílias que ocupam áreas mais críticas, conhecidas como faixas de segurança (mais próximas da rodovia) seriam atendidas em projetos habitacionais, em dois terrenos que foram indicados pela prefeitura e desapropriados pelo governo do Estado.

“A prefeitura recebeu R$ 2 milhões do Estado para estudos, não foram utilizados e a cidade perdeu o recurso. A CDHU apresentou dois projetos, mas a prefeitura não aprovou porque queria adensar e atender mais famílias. Ou seja, nada saiu do papel e agora tem essa nova possibilidade de desocupação”, completou o petista. “Se não houver acordo, vamos fechar a rodovia na saída do feriado.” Lacerda afirmou, ainda, que o vencimento do contrato de concessão da Ecovias, em maio, é um dos motivos para a retomada das desocupações.

Questionada, a Ecovias negou que o fim da licitação esteja pressionando pela remoção dos moradores. “A Justiça concedeu liminar de reintegração de posse para a desocupação de algumas moradias construídas irregularmente dentro da faixa de domínio da Ecovias, na região de Diadema”, informou por nota. Ainda não há a data definida para o cumprimento das ações e a empresa não revelou o número de residências que serão removidas.

A Ecovias confirmou que em 2013 houve a assinatura de protocolo de intenções com a CDHU e a Prefeitura de Diadema, que previa que não houvesse novas ocupações na faixa de domínio da concessionária, além das já existentes no local. “Portanto, as ocupações que ocorreram após a assinatura desse termo são os alvos das ações de reintegração de posse”, justificou.

A Secretaria de Estado da Habitação informou que mantém diálogo aberto e constante com todos os movimentos de moradia. “A pasta, a Prefeitura de Diadema e a Ecovias estudam projetos habitacionais para atender com moradia definitiva, as famílias removidas das áreas cuja empresa estadual de infraestrutura é proprietária”, respondeu, por meio de nota. A prefeitura não retornou até o fechamento da edição.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*