Últimas Notícias

Cotado para enfrentar Doria nas urnas, filho de Covas deixa PSDB

Filho do ex-governador Mario Covas, um dos principais nomes do PSDB, o vereador paulistano Mario Covas Neto anunciou sua desfiliação nesta quinta-feira (1º), dizendo-se decepcionado com o que se tornou um “partido de donos”. “O que vejo são projetos individuais de mando, deslealdade entre companheiros, desprezo e incompreensão ao verdadeiro motivo da existência do partido”, discursou.

Ao longo de 2017, Covas Neto criticou o que considerou ser interferência do prefeito João Doria (PSDB) no Legislativo municipal e expressou indignação com a permanência do senador mineiro Aécio Neves à frente da legenda, mesmo que licenciado. O ato, realizado em uma casa no bairro de Alto de Pinheiros usada por pai e filho em campanhas, não contou com a presença de lideranças tucanas.

Agora, o vereador é cotado para ser candidato a vice na chapa de Marcio França (PSB), que deve concorrer com o próprio Doria na eleição para o governo estadual. Covas Neto conversa há meses com o Podemos, mas disse que ainda não está definido seu futuro partidário. O PSDB ameaça requerer o seu mandato, já que a janela partidária que será aberta neste mês não inclui vereadores, mas apenas deputados federais.

No ano passado, o ex-tucano chegou a manifestar interesse em disputar uma vaga ao Senado. Aliados dizem que, se a vice de França não se concretizar, Covas Neto pode pleitear o Senado ou a Câmara dos Deputados.

“Doria desconstrói a imagem que fez na campanha, de alguém que era gestor, e não político”, disse. Ao agir para se lançar ao governo após um ano e quatro meses na prefeitura, o tucano “se torna um carreirista”, criticou.

Decisão

A gota d’água da decisão, disse Covas Neto, foi a decisão do PSDB de tirá-lo do comando da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Vereadores alegando, segundo ele, uma atuação crítica ao Executivo. “Ter visão crítica não corresponde a ser desleal”, retrucou. O vereador disse que não pretende passar a ser oposição a Doria nem a seu sobrinho Bruno Covas (PSDB), vice-prefeito que pode assumir a administração municipal caso o titular dispute a eleição.

“Eu e Bruno estamos na vida pública, mas temos caminhos diferentes na política. Ele ou está satisfeito com o PSDB ou acha que ainda vale a pena lutar por ele”, observou Covas Neto. “É de outra geração, mais nova, o entorno dele é diferente do meu.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*