Economia, Notícias

Conta de luz vai ficar 11,4% mais cara no ABC a partir de 4 de julho

Conta de luz vai ficar 11,4% mais cara no ABC a partir de 4 de julho
Enel tem 24 municípios de sua área de concessão, entre os quais os sete do ABC. Foto: Divulgação

O reajuste de 52% no valor da bandeira vermelha patamar 2 anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não foi a única má notícia para o consumidor paulista nesta terça-feira (29). A agência reguladora também aprovou reajuste tarifário da concessionária Enel Distribuição São Paulo. A majoração média foi de 9,44%, e passa a vigorar a partir de 4 de julho para os 24 municípios de sua área de concessão, entre os quais os sete do ABC.

O reajuste para consumidores de baixa tensão, em sua maioria clientes residenciais, foi de 11,38%. Para os clientes de média e alta tensão, em geral indústrias e grandes comércios, o índice aprovado foi de 3,67%.

A Enel informou que, diante da situação crítica da pandemia e dos seus impactos na vida das famílias e nas atividades do comércio e da indústria, solicitou à Aneel a aplicação de uma série de medidas regulatórias para a redução do percentual de reajuste deste ano, que ficou em torno de 61% menor do que o previsto. Segundo a concessionária, não fosse o esforço da companhia, o porcentual de reajuste teria sido de 24,1%.

O aumento foi influenciado pela alta da inflação (medida pelo Índice Geral de Preços-Mercado, o IGP-M) e pelo aumento dos custos com aquisição de energia (produzida pelos geradores, incluindo Itaipu) e com o transporte dessa energia até a distribuidora (valor pago às empresas transmissoras).

A concessionária informou ainda que, em uma conta de R$ 100, fica com apenas R$ 22,70. “Desde a aquisição da antiga Eletropaulo, em junho de 2018, a Enel já investiu mais de R$ 2,6 bilhões. Esse investimento contribuiu para que a duração das interrupções de energia caísse 35,8% entre dezembro de 2017 e dezembro de 2020, passando de 11,72 horas para 7,52 horas. A frequência das interrupções também melhorou 38,4% no mesmo período, de 6,22 vezes para 3,83 vezes.”

Print Friendly, PDF & Email

Deixe eu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*