Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Confronto entre opositores ao PT marca 2º turno

Após desbancarem o PT na principal cidade do chamado “cinturão vermelho”, os eleitores de São Bernardo vão definir amanhã (30) o novo prefeito que governará a cidade pelos próximos quatro anos. Disputam o posto dois ex-aliados: o deputado federal Alex Manente (PPS) e o deputado estadual Orlando Mornado (PSDB). Ambos os projetos pregam “renovação” ao modelo de gestão implementado pelo prefeito Luiz Marinho (PT), mas prometem a continuidade de projetos bem-sucedidos da atual administração.

Disputando o Paço pela segunda vez, Morando obteve no primeiro turno 45,07% dos votos válidos, seguido por Alex, que computou 28,41%. As últimas sondagens sobre a corrida eleitoral no segundo turno dão conta de que Morando segue à frente do rival. Pesquisa Ibope divulgada nesta semana mostrou o tucano com 63% das intenções de voto, contra 37% de Alex, que acredita na virada.

Para isso, o prefeiturável aposta no maior comparecimento do eleitorado às urnas, já que, no primeiro turno, cerca de 38% dos votantes aptos da cidade deixaram de ir aos locais de votação ou optaram por votar em branco ou anular. A soma das três categorias superou em 66,8 mil votos os sufrágios conferidos a Orlando.

A exemplo dos 45 dias da campanha no primeiro turno, as agendas de Alex e Morando na segunda etapa foram novamente marcadas por ataques e acusações. Uma das principais polêmicas de campanha envolveu os aliados de ambos os projetos. Isso porque na semana seguinte à eleição, o PCdoB – partido apoiador histórico do PT e tradicionalmente de esquerda – anunciou adesão à candidatura de Morando, o que desagradou parte dos eleitores do tucano.

Do outro lado, Alex também foi criticado por receber apoio de nomes petistas no segundo turno, como os vereadores José Ferreira e Matias Fiúza e dos deputados estaduais Luiz Fernando Teixeira e Teonílio Barba. A movimentação ocorreu após o diretório municipal do partido anunciar neutralidade e liberar militância e filiados para manifestação de voto.

Vices 

Outro alvo de ataques foram os candidatos a vice-prefeito Marcelo Lima (SD) e Admir Ferro (PTB). Em debate, o número dois na chapa do popular-socialista, Admir Ferro, teve sua elegibilidade questionada por Morando, já que o petebista foi condenado por improbidade administrativa.

Alex, por sua vez, relembrou episódio do “voto fantasma”, ocorrido em 2009 na Câmara. Na época, o painel eletrônico do Legislativo registrou voto do vereador Estevão Camolesi (então no PTdoB), mesmo o parlamentar estando ausente. Mais tarde, após análise de imagens, Lima foi flagrado abrindo a gaveta de votação da mesa de Camolesi no mesmo horário do registro de voto.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*