Últimas Notícias

Concessão da Zona Azul de SP pode render R$ 1 bilhão

A gestão João Doria (PSDB) vai lançar projeto de concessão do serviço de estacionamento rotativo pago em São Paulo, conhecido como Zona Azul, visando o adiantamento de valores que podem passar de R$ 1 bilhão. Além disso, o projeto visa a desoneração dos cofres da prefeitura e a modernização do serviço.

O plano será lançado nesta terça-feira (20) por Doria, em entrevista na prefeitura.

A concessão se integra ao plano de desestatização do prefeito, que busca passar à iniciativa privada a administração de diversos equipamentos públicos.

Nesta quarta (21), num primeiro passo, a prefeitura vai lançar um Procedimento Preliminar de Manifestação de Interesse (PPMI), no qual solicita que empresas interessadas enviem sugestões e estudos para o projeto de concessão.

A Estapar, empresa do setor de estacionamentos, já manifestou oficialmente seu interesse em participar do processo. A Indigo, outra gigante do setor, acompanha de perto, segundo a Folha apurou. As duas são as maiores empresas do setor em operação no Brasil.

Nos moldes projetados atualmente pela gestão Doria, o vencedor de um processo de licitação poderia explorar a venda de tíquetes de Zona Azul e ficaria encarregado de fazer a fiscalização de infrações. A aplicação de multas e o valor arrecadado com elas continuaria com a prefeitura, bem como a definição dos valores mínimo e máximo a serem cobrados pelos tíquetes.

Atualmente, o serviço é superavitário. Em 2017, a prefeitura gastou R$ 21 milhões com fiscalização e teve R$ 89 milhões de receita. No ano anterior, quando o serviço ainda era à base de papel, arrecadou menos: R$ 55 milhões.

Ao adiantar recebíveis por 30 anos, prazo com o qual a prefeitura trabalha provisoriamente, seria possível passar de R$ 1 bilhão em arrecadação, que iria para o Fundo de Desestatização, cujos valores estão vinculados a investimentos em saúde, educação, mobilidade, segurança, habitação e assistência social.

Até o momento, a prefeitura já lançou editais de concessão do mercado de Santo Amaro e do primeiro lote de parques, que inclui o Ibirapuera. A concessão do Pacaembu e a privatização do Anhembi devem sair ainda no primeiro semestre, ao passo que a venda de Interlagos deve ficar para o segundo, assim como a concessão dos terminais de ônibus e do Bilhete Único.

“Uma concessão desoneraria a prefeitura dos gastos com fiscalização, passaria os problemas de eventuais fraudes para terceiros e o risco de baixas taxas de ocupação também. Os mais novos estão cada vez menos interessados em carros. O risco dessa queda ficará com eles”, diz Wilson Poit, secretário de Desestatização e Parcerias. Ele acredita que até o final do ano será possível chegar ao acordo com alguma empresa interessada. O PPMI ficará aberto até 5 de maio.

“Seria possível modernizar os serviços e ainda ter recursos para investimentos em obras para melhorias da cidade. Eles poderão investir em tecnologia de fiscalização, permitir que o usuário renove o Zona Azul sem ter que voltar até o carro”, completa.

Atualmente, o sistema de Zona Azul tem 40.600 vagas, com expansão prevista para 50.200 ainda em 2018.

Na cidade, as vagas de Zona Azul se distribuem da seguinte forma: 29% na área central; 26% na zona oeste; 25% na leste; 17% na sul; e 3% na norte. Assim, as duas últimas aparecem como mais promissoras para os interessados.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*