Economia, Notícias

Compra parcelada? Tenha cuidado!

Família & Finanças
Sérgio Biagioni Junior

Por Sérgio Biagioni Junior

Caro(a) leitor(a), a sensação de adquirir um bem muito desejado é sem dúvida muito boa e prazerosa, principalmente se você não precisa dispor de todo o valor no momento da compra, certo?

Pois bem, muito atentos a essa sensação, os lojistas entraram para valer na modalidade de oferta parcelada, com o objetivo, por óbvio, de atrair mais clientes, aumentar as vendas e também seus lucros.

Tornou-se extremamente comum vender quase de tudo parcelado. Em alguns casos, as parcelas mensais podem ser de apenas R$ 5 ou menos. Nessa modalidade de negócio, infelizmente, a decisão de compra é estimulada tão somente pela condição de pagamento, importando saber apenas o número de parcelas e se cabem no orçamento mensal – popularmente falando, se o valor da parcela cabe no bolso.

Ocorre que essa forma de compra é muito danosa às finanças pessoais, pois gera endividamento de longo prazo – que, neste caso, é extremamente caro, além de induzir ao consumo em excesso e desnecessário. Afinal, sempre que estiver diante de uma oferta parcelada, tenha certeza de que os juros estarão presentes. Você vai pagar juros.

Não bastasse pagar mais caro e ainda adquirir um bem que nem sempre é de fato necessário, você dificulta a organização e o controle de suas finanças pessoais.

Não podemos também deixar de considerar o fator psicológico. Aquele mesmo que gerou em você o entusiasmo e o prazer de decidir pela compra, agora age no sentido oposto, pois chegou a hora de pagar. Seu cérebro e o boleto de cobrança vão te lembrar mensalmente da decisão tomada na euforia da aparente vantagem no momento da compra.

Portanto, antes de se deixar envolver e ser levado pelas falsas sensações geradas no momento da compra impulsiva, pense e responda apenas três simples perguntas:

– Eu quero?

– Eu posso?

– Eu devo ou preciso?

Se a resposta para as três perguntas for um honesto e verdadeiro “sim”, acredito que seu cérebro e seu bolso estão preparados para assumir e enfrentar a nova dívida. Agora, se a terceira e mais importante questão não for respondida com o mesmo honesto e verdadeiro “sim” anterior, não compre, pois há grande possibilidade de arrependimento.

A melhor forma de evitar a criação de problemas financeiros sempre é planejar com antecedência o que se pretende comprar. Evidentemente, não é a forma mais fácil, afinal é necessário disciplina para economizar o valor da compra, mas o resultado final será sempre melhor.

Outro ponto importante a considerar, quando se tem o valor integral da compra em mãos, é o poder de barganhar um desconto e conseguir um bom negócio. Planeje-se.

Se você ficou com alguma dúvida em relação a esse assunto, manda uma mensagem que te explico. Meu e-mail é o falandofacil123@gmail.com e meu site é o www.sergiobiagioni.com.br.

 

Sérgio Biagioni Junior é planejador financeiro pessoal, certificado pela CEA-Anbima. É formado em Administração de Empresas, pós-graduado em Banking, MBA em Controladoria e Custos e pós-graduado na PUC-RS em Planejamento Financeiro e Finanças Comportamentais.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*