Economia, Notícias

Comer fora de casa fica até 31,6% mais caro em um ano na região

A crise econômica parece não ter freado os preços da alimentação fora do domicílio na região, que ficou até 31,5% mais cara no úl­timo ano. É o que revela a pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha a pedido da Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (Assert).

O estudo mostra que Santo André tem a refeição mais cara entre os nove municípios da Grande São Paulo pesquisados, com preço médio de R$ 35,01 no final do ano passado, valor 31,6% superior ao apurado no levantamento anterior (R$ 26,61), feito 12 meses antes (veja quadro ao lado).

Na mesma comparação, o preço médio da refeição completa subiu 21,9% em São Caetano, para R$ 31,73. Na vi­zinha Diadema houve reajuste de 7,7%, para R$ 27,23, e em São Bernardo o valor avan­çou 4,35%, para R$ 29,26.

Em novembro de 2016, o Datafolha coletou informações em 4.574 estabelecimentos de 51 cidades. No ABC, foram consultados 356 comércios de Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema.

O estudo avaliou o preço da refeição completa – prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café – em quatro modalidades: comercial, autosserviço (quilo e preço fixo), executivo e à la carte.

Em três das quatro cidades (Santo André, São Caetano e Diadema), a variação ficou acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo acumulado nos 12 meses encerrados em no­vembro do ano passado (6,99%). No mesmo período, o grupo Alimentação Fora do Domicílio do IPCA variou 7,6%.

Ainda segundo o levantamento, um trabalhador de Santo André que ganhe um salário mínimo (R$ 937) gastaria com alimentação fora de casa 82,2% da renda, considerando 22 dias ao mês. Em São Caetano, São Bernardo e Diadema, o comprometimento da remuneração seria de 74,5%, 68,7% e 64%, respectivamente.

Instituído em 1976, o Programa de Alimentação ao Trabalhador (PAT) beneficia 20 milhões de brasileiros com o recebimento do vale-refeição, mas para 81,5% deles o valor acaba antes do final do mês, segundo pesquisa da Sodexo Benefícios e Incentivos.

“Com o aumento dos preços da refeição fora de casa, é fundamental fazer boa gestão do vale para que não seja necessário desembolsar parte do salário no fim do mês para essa finalidade”, disse Simone Perretti, gerente de Produtos da empresa.

Brasil

Em todo o país, o preço médio da refeição subiu 8%, para R$ 32,94, ante R$ 30,48 apurados um ano antes.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*