Política-ABC, Santo André, Sua região

Com carreata, Bruno Daniel faz primeira atividade de campanha fora das redes sociais

Bruno Daniel: “É um grande desafio tornar minha candidatura conhecida em poucas semanas”. Foto: Divulgação
Bruno Daniel: “É um grande desafio tornar minha candidatura conhecida em poucas semanas”. Foto: Divulgação

A pouco mais de duas sema­nas do primeiro turno das elei­ções municipais, a candidatura do professor de Economia Bruno Daniel (PSOL) ao Paço de Santo André deve “ga­nhar as ruas” hoje (31). Com uma carreata que começa às 9h na Estrada do Pedroso e deve terminar na Praça do Carmo, o psolista fará sua primeira ati­vidade fora das redes sociais.

“Tomei a decisão de fazer to­da a campanha de casa, por meios virtuais. Só abriremos exceções neste e no próximo fim de semana, mas vou estar no caminhão. Quero preservar minha família e meus amigos, e não vou provocar aglome­rações que possam colocar a vida de munícipes em risco”, disse Bruno Daniel, em en­trevista ao Diário Regional.

Estreante nas urnas, o pso­lista têm realizado reu­niões vir­tuais a fim de levar seu programa de governo à população. Além da preocupação com a pandemia, o partido teve pro­blemas com a gráfica contratada, o que atrasou a confecção do material de campanha.

“É um grande desafio tornar minha candidatura co­nhecida em poucas semanas, mas tenho certeza de que te­re­mos na militância, na chapa de can­didatos a vereador e em seus grupos de apoio uma ponta de lança importante”, afirmou o prefeiturável.

Outro desafio de Bruno Da­­niel é vencer a rejeição de par­te do eleitorado a políticos de esquerda, que se espa­lhou com a derrocada da economia nos últimos anos de manda­to da presidente Dilma Rousseff, foi amplificada por denúncias de corrupção apura­das pela operação Lava Jato e levou à eleição de Jair Bolsonaro (sem partido) para o Palácio do Planalto.

“Houve uma onda contrá­ria às posições de esquerda, mas é possível observar uma virada, inclusive no plano internacional – por exemplo, na eleição do candidato de Evo Morales (Luis Arce) na Bolívia e de Aberto Fernandes na Argentina, apoiado por uma frente antiliberal. No Brasil, temos o avanço da candidatura (de Guilherme) Boulos (PSOL) na Capital. O voto é flui­do, não existe esse peso ideo­lógico tão forte”, argumentou.

Irmão de Celso Daniel, con­­sidera­do por boa parte da população o melhor prefeito da história de Santo André, o psolista disputa com outros dois candidatos da esquerda o legado deixado pelo petista, assassinado em 2002: a vereadora Bete Siraque (PT) e o ex-prefeito João Havamileno (Solidariedade), que assumiu o Paço andreense após a morte de Celso.

“Tentamos construir uma fren­te ampla de esquerda, por­que entendemos que a demo­cracia está sob ataque, até pensando em 2022. O pro­blema é que as conversas não avançaram e só conseguimos construir a coli­gação com a Rede (Sustentabilidade), o que para nós é motivo de muito orgulho, porque o partido tem quadros de muita qua­lidade, inclusive ambientalistas, que nos ajudaram a aperfeiçoar o plano de governo”, afirmou.

O psolista não descarta o apoio o PT em um eventual segundo turno contra o prefeito Paulo Serra (PSDB), que disputa a reeleição. “Preservar a democracia pressupõe cons­truir alianças, e aliança só se faz com pessoas que pensam diferente – desde que em cima de bases programáticas.”

INOVAÇÃO

Bruno disse que não usa­rá a imagem do irmão como muleta e que respeitar o legado do petista significa ino­var. “Celso estava à frente do seu tempo, inovava o tempo inteiro. As coisas mudaram muito desde 2002, mas a inovação permeia todo nosso plano de governo.”

No campo econômico, por exemplo, o prefeiturável defen­de modelo baseado na susten­tabilidade. Uma das propostas é o incentivo à produção de ener­gia solar fotovoltaica.

“Vemos hoje o declínio da ati­vidade industrial em favor dos serviços e do comércio, que pagam salários mais baixos. Por isso, é necessário agregar à indústria novas frentes de expansão de investimentos. A ener­gia solar fotovoltaica ge­raria uma cadeia de produção e de empregos na cidade”, propôs Bruno Daniel.

2 CComentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*