Economia, Notícias

Com candidatura incerta, Meirelles deixa Fazenda; Eduardo Guardia assume a pasta

Com candidatura incerta, Meirelles deixa Fazenda; Eduardo Guardia assume a pasta
Ao se despedir do ministério, Meirelles foi vago sobre suas pretensões eleitorais. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Sem definição sobre seu futuro, Henrique Meirelles deixou o Ministério da Fazenda ontem (6), abrindo espaço para que dispute as eleições em outubro. Terminava ontem o prazo para que ocupantes de cargos no Executivo que não vão concorrer à reeleição – como presidente, governadores – se desincompatibilizem pa­ra disputar as eleições.

A legislação eleitoral prevê a saída em até seis meses antes do pleito.

Ao confirmar a decisão em coletiva de imprensa, Meirelles negou a possibilidade de ser candidato a vice-presidente ou outro cargo eletivo. “Não pretendo ser candidato a vice-presidente e não vejo possibilidade de ser candidato a governador e vice-governador”, disse.

Porém, Meirelles foi va­go sobre suas pretensões eleitorais. “Vou analisar a possibilidade de ser candidato. Agora que conclui meu trabalho no ministério, vamos analisar essa possibilidade com o partido e, antes, com a sociedade.”

O atual secretário-executivo da Fazenda, Eduardo Guardia, será o novo titular.

Meirelles cogitou permanecer à frente do ministério após se sentir “em segundo plano” com o tratamento da­do pelo MDB e pelo presidente Michel Temer durante sua cerimônia de filiação à sigla, na última terça-feira.

Desafios

Segundo Meirelles, ainda persistem desafios para a equipe econômica que deverão ficar a cargo do futuro ministro. “A crise está superada, mas ainda há problemas a serem enfrentados. Esse legado não pode ser perdido, nem esquecido. Precisamos persistir neste caminho que levou o país à rota do crescimento. É preciso perseverança e coragem. O novo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, vai garantir que essa po­lítica continue”, declarou.

Segundo o ministro, apesar de a reforma da Previdência não ter sido votada e de várias medidas provisórias de ajuste fiscal perderem a validade, a equipe econômica continuará trabalhando para que o Congresso aprove dois projetos importantes para o governo nos próximos meses: a privatização da Eletrobras e a simplificação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

O principal desafio de Guardia, destacou Meirelles, consistirá em manter a recuperação do emprego e cumprir a previsão de o país fechar o ano com a criação de 2,5 milhões de postos de trabalho. “O fato concreto é que o trabalho continua. O importante é que mudamos a direção. Estávamos indo para um caminho que levaria à recessão”, comentou o ministro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*