Política-ABC, Regional

Com 81 ‘novos’ vereadores no ABC, taxa de renovação média nas Câmaras foi de 57%

Com 81 novos vereadores no ABC, taxa de renovação média nas Câmaras foi de 57%
Dos 142 eleitos para os sete Legislativos municipais em 2016, só 61 renovaram seus mandatos neste ano

Com 61 vereadores reeleitos e 81 “novos” nomes, as Câ­maras Municipais do ABC vão começar a próxima le­gis­latura, em janeiro de 2021, com índice de renovação de 57,0%. No levantamento, o Diário Regio­nal comparou a relação de políticos eleitos em 2016 com a deste ano.

No primeiro pleito sem coligações proporcionais, proibidas em função da mudança nas regras eleitorais, quase 3.700 candidatos a vereador dispu­taram 142 cadeiras nas sete Câmaras Municipais do ABC.

A taxa ficou acima da apurada em 2016, de 51,4%. Assim, contrariou a expectativa do meio político, que apostava em uma renovação menor que a de eleições anteriores, em função do calendário apertado pela pandemia de covid-19.

Outra explicação para a re­novação elevada é o grande nú­­mero de vereadores que tro­ca­ram a candidatura à reeleiçao pela disputa majo­ritária, seja como candida­tos a prefeito (dez), seja como postulantes a vice (dois).

A Câmara com a maior taxa de renovação foi a de Ribeirão Pires (70,6%), onde apenas cin­­co dos 17 vereadores eleitos em 2016 renovaram seus mandatos no último domingo (veja gráfico ao lado). Entre as novidades no Legislativo local figuram Leandro Tetinha (PTB), Lau Almeida (PSDB) e Amanda Nabeshima (PTB).

Em contrapartida, políticos com longa trajetória na Câmara, como Edson Savietto, o Banha (PDT), deixarão o Le­gislativo ao final deste ano.

No sentido contrário, a Câ­mara com a menor taxa de renovação foi a de São Ber­nardo, onde apenas 11 dos 28 vereadores eleitos em 2016 não renovaram seus mandatos. Entre as novida­des do Le­gislativo local fi­gura Danilo Li­ma (PSDB), que obteve a maior votação nominal do ABC (8.930 votos) em sua primeira eleição.

A próxima legislatura marcará também o retorno de Ana do Carmo (PT), que voltará à Câmara de São Bernardo (onde esteve entre 1989 e 2002) após quatro manda­tos como deputada estadual.

Ana do Carmo, aliás, é uma das nove mulheres eleitas pa­ra as sete Câmaras Municipais do ABC, o que representa um salto de 125% em comparação à representação feminina saída das urnas em 2016.

Em Mauá, que teve 22 dos 23 vereadores acusados em 2018 pelo Mi­nistério Público Federal de receber “men­salinho” no âmbito da ope­ra­ção Trato Feito, apenas sete conseguiram a reeleição.

Entre os veteranos que dei­xarão a Câmara ao final des­te ano figura Manoel Lopes (DEM), que tem sete mandatos legislativos. Em contrapartida, a Casa receberá “ca­ras novas” como Alessandro Mar­tins (PDT), Márcio Araújo (PSD), Geovane Corrêa (PT) e Junior Getúlio (PT).

Em Diadema, apenas nove dos 21 vereadores eleitos em 2016 renovaram seus mandatos. A próxima legislatura marcara o retorno da petista Lilian Cabrera.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*