Economia, Notícias

Cesta básica fica 18% mais cara durante a pandemia no ABC

Cesta básica fica 18% mais cara durante a pandemia no ABC
No mesmo período, a inflação oficial medida pelo IPCA, do IBGE, variou apenas 0,81%

Pesquisa semanal realizada pe­la Com­­panhia Regional de Abas­te­ci­mento Integrado de Santo An­dré (Craisa) revela que a cesta bá­sica ficou 17,7% mais cara no ABC durante a pande­mia do novo coronavírus.

Com isso, segundo a Craisa, o conjunto de 34 produtos essenciais custou em média R$ 801,11 em setembro, con­tra R$ 680,70 em ma­rço, quando a covid-19 chegou ao país.

No mesmo período, a in­flação oficial do Brasil, medi­da pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Am­plo (IPCA), do Instituto Brasilei­ro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou em 0,81%.

Somente em setembro, a cesta básica ficou em média 6,2% mais cara na região.

Segundo o levantamento, os “vilões” da cesta básica durante a pandemia foram o arroz e o óleo de soja, que fica­ram 49,8% e 49,0% mais caros, respectivamente.

Nos dois casos, as altas estão relacionadas ao aumento da demanda interna, decorrente do pagamento, pelo go­verno, do auxílio emergencial; e ao dólar elevado, que tem estimulado as exportações, es­­pecialmente para a China, o que reduz a oferta no Brasil.

Ainda segundo a pesquisa, apenas seis dos 34 itens da cesta básica registraram deflação – ou seja, fica­ram mais baratos – durante a pande­mia. Entre os 28 que subiram de preço, 14 sofreram reajuste na casa de dois dígitos.

Entre os produtos que pe­saram mais no bolso do consumidor merecem destaque a bolacha salgada (48,0%), o leite longa vida (38,8%), a cebola (36,3%), o feijão (25,2%) e o pão francês (15,1%).

No sentido contrário fica­ram mais baratos na pandemia o papel hi­giê­nico (-33,3%), a laranja (-12,1%), o tomate (-10,1%) e a alface (-9,9%).

ENTENDA

A Craisa acompanha os pre­ços de 34 produtos nos principais super e hipermercados de seis dos sete municípios do ABC – não há cotações em Rio Grande da Serra. A pesquisa é baseada no consumo de uma família de quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças, em um período de 30 dias.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*