Economia, Notícias

Centrais sindicais fazem ato unificado virtual do 1º de Maio

As centrais sindicais CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB, NCST, Intersindical, CGTB e Pú­blica realizam neste sábado (1º), pelo segundo ano consecutivo, ato unificado do Dia Internacional do Traba­lhador no formato virtual. No momento em que o país supera a marca de 400 mil mortes por covid-19, o tema será 1° de Maio pela Vida – Democracia, Empre­go e Vacina para Todos.

Com início às 14h, a live terá transmissão pela Rede TVT, além de redes sociais e canais do Youtube das centrais.

Os ex-presidentes da Re­pú­blica Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Fer­­nando Henrique Cardoso (PSDB) participarão da live, assim como o governador do Maranhão, Flá­vio Dino (PCdoB), os presidentes das centrais e li­deranças políticas, como Ciro Go­mes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávilla (PCdoB).

O governador João Doria (PSDB) foi convidado a participar e chegou a enviar vídeo de dois minutos, como as demais lideranças políticas, mas acabou vetado pela direção da CUT, central próxima ao PT.

Também estão confirmadas as participações dos cantores Chico Buarque, Chico César, Elza Soares, Marce­lo Jeneci e Odair José, bem como dos atores Osmar Prado, Gregório Duvivier, Tereza Seibilitz e Paulo Bet­ti, entre outros artistas.

O presidente da Força Sin­­dical, Miguel Torres, ressal­tou a importância do evento nes­te momento de grave crise sanitária com reflexos na economia, como aumento do de­semprego e queda da renda dos trabalhadores. “Estamos na luta por auxílio emergencial de R$ 600, vacina para todos e retomada da economia”, afirmou.

ABC

Na região, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC participa de carreata so­lidária, organizada pela CUT-SP. A concentração ocorre no estádio 1º de Maio, em São Bernardo, às 9h. De lá, os veículos seguem até a Praça da Moça, em Diadema. No local haverá drive-thru solidário para arrecadação de alimentos.

O presidente do sindicato, Wagner Santana, o Wagnão, afirmou que a fome voltou a ser um tema urgente devido à pandemia de covid-19 e à falta de ação do poder público. “Ao contrário do que ocorria nos anos 1990, quando nossas campanhas de arrecadação tinham o objetivo de ajudar a população de regiões bem mais carentes, como o Nordeste, hoje as doações são destinadas à população que vive ao nosso lado, nas periferias. Este 1º de Maio tem de ser também de solidariedade”, comentou.

A Diocese de Santo André também realiza a tradicional Missa dos Trabalhadores, às 10h, na Igre­ja Matriz de São Bernardo. Presidida pelo bispo Dom Pedro Carlos Cipollini, a missa acontecerá de forma presencial (com até 25% da capacidade da igreja) e terá transmissão pelas mídias diocesanas (Facebook https://bit.ly/35YfmwA, YouTube https://bit.ly/2zHgOqU e rádio Imaculada Conceição AM 1490).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*