Copa do mundo, Esportes

CBF desiste de amistoso de despedida no Maracanã

CBF desiste de amistoso de despedida no Maracanã
Renato Augusto participa de treino da seleção no CT do Spartak de Moscou. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A seleção brasileira não atuará no Brasil antes do início da Copa do Mundo, em 14 de junho. Apesar de a comissão técnica desejar fazer um amistoso de despedida no Maracanã antes da ida à Europa, o jogo não será realizado.

A seleção fará só dois jogos durante a preparação. No dia 3 de junho enfrentará a Croácia, na Inglaterra, em cidade a ser definida. No dia 10, antes da chegada a Sochi, base da equipe para o Mundial na Rússia, o time vai a Viena para encarar a Áustria.

Não jogar em casa antes de uma Copa é escolha comum para a seleção. Nenhum dos amistosos prévios aos Mundiais de 2006 e 2010 aconteceram em solo nacional.

Em 2014, como o torneio aconteceu no Brasil, toda a preparação foi feita no país.

Antes da estreia no último Mundial, o Brasil goleou o Panamá por 4 a 0, em Goiânia, e venceu a Sérvia por 1 a 0, em São Paulo.

A última vez que o Brasil jogou em casa em ano de Copa no exterior foi em 2002. Cerca de dois meses antes do Mundial do Japão e da Coreia do Sul, a seleção brasileira derrotou a Islândia por 6 a 1, em Cuiabá, e a Iugoslávia por 1 a 0, em Fortaleza.

Segundo o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, as restrições impostas pela Fifa para a realização de amistosos inviabilizaram a partida.

As seleções só poderão jogar a partir de 29 de maio, quando o time já estará em Londres. Entre os dias 21 e 27, os jogadores treinarão na Granja Comary, no Rio.

“Era um desejo do Tite e de todos os envolvidos fazer três jogos, sendo um deles no Brasil. Pela regra da Fifa só teríamos como fazer o jogo no dia 29 ou 30, o que torna a partida inviável pelo fato de termos jogo no dia 3 na Inglaterra. Teríamos de preparar duas equipes diferentes”, disse.

Segundo Edu Gaspar, foram escolhidas seleções que têm esquemas semelhantes ao de equipes que o Brasil vai enfrentar na Copa do Mundo.

No dia 17 de junho, o time estreia no Mundial contra a Suíça, em Rostov-do-Don. Depois enfrenta Costa Rica e Sérvia.

 

Seleção faz 1º treino em Moscou apenas com nove jogadores e temperatura de -1ºC

O primeiro treino da seleção brasileira em Mos­cou, ontem (19), foi mar­cado por muitos desfalques e apenas nove jo­gadores no campo do centro de treinamento do Spartak.

Tanto assim que a comissão técnica teve de chamar diversos atletas da equipe B do Spartak para que a atividade pudesse ser realizada.

Participaram do trabalho em campo reduzido os goleiros Ederson e Neto, e os jogadores de linha Rodrigo Caio, Fernandinho, Renato Augusto, Gabriel Jesus, Firmino, Willian José e Alex Sandro.

Outros sete atletas que já chegaram à Capital russa fizeram trabalho regenerativo: Alisson, Miranda, Willian, Talisca, Fred, Taison e Douglas Costa. O trio do PSG – Thiago Silva, Marquinhos e Daniel Alves – fez trabalho na academia do hotel onde a seleção está concentrada.

Outros sete jogadores chegariam até a madrugada de hoje: Marcelo, Casemiro, Philippe Coutinho, Paulinho, Fagner e Geromel.

O treino foi realizado sob temperatura de -1ºC e sensação térmica de -6ºC. Um campo ao lado de onde ocorria o treino estava coberto de neve.

Na sexta-feira (23), a seleção enfrenta a Rússia em amistoso no estádio Lujniki. Na partida será usada a Telstar 2018, a bola oficial da Copa.

 

Lateral Marcelo revela desejo de se tornar meia e elogia Tite

Marcelo é titular da lateral esquerda da seleção brasileira. O mesmo acontece no Real Madrid. Porém, apesar de ser absoluto no setor, o jogador de 29 anos revela desejo de atuar como meia. O plano de se deslocar até o meio-campo é para quando “estiver mais velho”, diz.

“De meia eu vou jogar. Se um time me quiser (quando for mais velho), vou jogar. Tenho esse pensamento”, disse Marcelo ao “Desimpedidos”.

“Joguei nessa função. Deu pouco certo, mas eu corri. Tinha a noção de lateral com meia, aí dá para fazer. Porém, jogar de meia mesmo, de costas, acho que é impossível”, complementou.

O lateral atribui o bom ambiente na seleção ao técnico Tite. Sobre o treinador da seleção, Marcelo disse ter surpreendido com a forma como Tite o procurou.

“Ele (Tite) foi bem sincero no que queria. Foi muito franco com todo mundo, me ligou. Nenhum técnico da seleção ou de clube já tinha me ligado. Falei: ‘cara, o treinador da seleção está me ligando. Vou correr demais por esse cara’”, comentou Marcelo.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*