Minha Cidade, Sua região

Cantareira acumula água e termina período seco em alta

Apesar da falta de chuvas, o sistema Cantareira aumentou o volume de seus reservatórios em 6% desde o início do período de seca, em abril. Neste ano, setembro foi o terceiro mais seco em 22 anos, de acordo com dados do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), da Prefeitura de São Paulo. O índice de chuvas médio da cidade no mês foi de 18,4 milímetros, 75% abaixo da média histórica para setembro, que é de 73,3 milímetros.

“No mês de setembro, a persistência de uma massa de ar mais seco sobre grande parte do Sudeste dificultou a passagem de frentes frias mais organizadas sobre a Grande São Paulo. Dessa forma, foram apenas dois dias com chuvas significativas na capital”, afirmou Thomaz Garcia, meteorologista do CGE.

O aumento atípico em época de seca ocorreu sobretudo por causa de precipitações no sistema acima da média nos meses de junho e agosto. Em junho, choveu 178,9 milímetros sobre o Cantareira, mais do que três vezes a média histórica para o mês, de 58 ml. Já o mês de agosto, tipicamente seco, foi o mais chuvoso desde 1995.

“A chuva naquela região (dos reservatórios) é pouco comum na época de inverno, é algo fora do normal”, afirma o meteorologista Marcelo Pinheiro, da Climatempo. Segundo o especialista, a propagação de áreas de instabilidade favoreceu a formação de nuvens carregadas na região no período de junho e agosto, causando elevada precipitação.

Armazenamento

O aumento de 6% dos níveis de armazenamento representa adicional de cerca de 60 milhões de litros de água no sistema. O manancial é responsável pelo abastecimento de 7,4 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Durante 2014 e 2015, devido à seca, o Cantareira precisou usar seu volume morto, as reservas do fundo das represas, para continuar abastecendo a Grande São Paulo.

Ontem (3) o sistema operava com 55,9% de sua capacidade, mais de quatro vezes mais que no ano passado, quando, na mesma data, operava com apenas 12,8%. A Sabesp afirma que a diminuição do consumo e as chuvas acima da média contribuíram para o aumento.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*