Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Candidatos a vice, Lima e Ferro viram alvo de ataques em debate

Orlando Morando e Alex Manente participaram de debate promovido pela Rádio Bandeirantes. Foto: Danilo Gobatto/Divulgação

Após acusações e troca de farpas em confrontos anteriores, os candidatos à Prefeitura de São Bernardo Alex Manente (PPS) e Orlando Morando (PSDB), decidiram partir para o ataque aos candidatos a vice-prefeito na chapa adversária durante debate promovido ontem (20) pela Rádio Bandeirantes. Número dois na chapa do popular-socialista, o ex-secretário de Educação Admir Ferro (PTB) teve sua elegibilidade questionada por Morando, enquanto Alex relembrou episódio do “voto fantasma”, ocorrido em 2009 na Câmara.

Em apresentação de propostas para a área de Educação, Orlando criticou a gestão de Ferro à frente da pasta e afirmou que, se eleito, transferirá recursos para as Associações de Pais e Mestres (APM), que ficarão responsáveis pela compra de uniformes da rede municipal, por meio de licitação. “Diferente do que o seu vice fez. Aliás, o Ademir Ferro foi condenado por improbidade administrativa em primeira instância e está recorrendo com liminar”, disse. O petebista foi condenado por envio de cartão de Natal aos alunos da rede pública municipal.

Alex saiu em defesa de seu parceiro de chapa, citando o aval concedido pela Justiça Eleitoral à sua candidatura. “Ele é registrado e aprovado pela Justiça, mas é bom que a gente discuta o vice para saber o histórico de cada um e o que cada um representa”, destacou. O pepessista relembrou ainda que, em 2008, Ferro chegou a coordenar a campanha de Morando no segundo turno eleição municipal. “É interessante ver como são tratados os ex-aliados do candidato”, completou.

Na sequência, o popular-socialista evocou o caso do “voto fantasma” da Câmara de São Bernardo, que envolveu o candidato a vice na chapa de Morando, Marcelo Lima. Na época, o painel eletrônico do Legislativo registrou voto do vereador Estevão Camolesi (então no PTdoB), mesmo o parlamentar estando ausente do plenário. Mais tarde, após análise de imagens, Lima foi flagrado abrindo a gaveta de votação da mesa de Camolesi no mesmo horário do registro de voto.

Mobilidade 

As principais propostas elencadas pelos prefeituráveis durante o confronto de ideia foram relacionadas à mobilidade urbana. Alex se comprometeu a firmar Parcerias Público-Privadas (PPP) para dar prosseguimento às obras nos corredores de ônibus e propôs ceder duas concessões para operação do transporte no município – como forma de evitar o monopólio do serviço. “Isso possibilitará rever o período de utilização (da concessionária) e o congelamento das tarifas por quatro anos. Mais do que isso, vamos trabalhar para reduzir a tarifa de ônibus em 10% da nossa cidade”, disse.

Morando, por sua vez, pregou “diálogo” sobre os valores das passagens de transporte praticados na cidade. “Em 2018 teremos uma nova concessão pública que poderá ser em um ou dois lotes. Faremos uma audiência pública para discutir a destinação de mais recursos ao transporte público e o subsídio da tarifa. É importante lembrar que quando há congelamento de tarifas é o poder público que paga esse subsídio”, destacou. O tucano também prometeu o dobro da frota no horário de pico e 100% da frota acessível, com wifi e ar-condicionado. Questionados sobre o serviço de transporte individual Uber, ambos os candidatos se mostraram favoráveis e defenderam sua regulamentação.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*