Arte & Lazer, Literatura

‘Calendas de Março’ une memória, política e literatura com sensibilidade

São-bernardense lança romance em que narra uma história de amor em tempos de resistência. Foto: Divulgação
São-bernardense lança romance em que narra uma história de amor em tempos de resistência. Foto: Divulgação

Os horrores dos anos de chumbo, o conflito armado e a repressão policial servem de pano de fundo para uma instigante história de amor, descoberta anos depois por uma mulher, durante um cenário tão complexo quanto o anterior: o período de pandemia da covid-19.

Durante o isolamento social, Helena, personagem central do romance “Calendas de Março”, de Ivete Nenflidio, ao buscar um refúgio temporário para seus temores, acaba encontrando um diário guardado no fundo de um baú, que a faz viajar pelo tempo e por suas memórias.

A personagem não apenas relembra os horrores da ditadura militar brasileira, que permeiam suas lembranças de infância, mas acaba descobrindo também uma poderosa história de amor e resistência, o que faz com que seja traçado um paralelo entre dois momentos históricos complexos vividos no Brasil.

Narrado em terceira pessoa, o livro transita pelas emoções de Helena e as de Luiza, aquelas encontradas no diário. Memórias que por vezes se identificam e se mesclam, mas também fazem com que a protagonista se transporte para uma outra realidade, chegando a se esquecer das angústias do tempo presente.

Por outro lado, a história de Luiza também faz com que Hele­na, a todo instante, retorne para a própria situação atual do país, já que se torna impossível para a protagonista não enxergar a conexão entre passado e presente.

“Assim como Helena, viajei em uma leitura na qual encontrei diversos paralelos com a rea­lidade que me cerca. Ivete transita entre o interno e o externo, revelando os temores e angústias da protagonista em meio à quarentena, bem como as reflexões que ela estabelece entre o cenário político brasileiro atual e o dos anos de ditadura”, destaca Aione Simões, escritora.

A AUTORA

Com 48 anos, natural de São Bernardo, Ivete Nenflidio é escritora, pesquisadora das manifestações tradicionais e folclóricas brasileiras, curadora artística de festivais e articuladora cultural especializada em Sustentabilidade Aplicada aos Negócios, em Leis de Incentivo à Cultura.

Como autora publicou li­vros de poesia, contos, crônicas e romances, entre eles a antologia “Memórias Difusas” e “País Estrangeiro – Memórias de um Brasil profundo”, ambos pela Editora Beira, além da ficção “Calendas de Março”.

Serviço – Lançamento de “Calendas de Março”, de Ivete Nenflidio. Livros disponíveis pela Amazon: https://www.amazon.com.br/s?k=ivete+nenflidio&__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&ref=nb_sb_noss

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*