Economia, Notícias

Black Friday tem pico de 50 pedidos por segundo e cresce 17%

As vendas no comércio eletrônico durante a Black Friday, na última sexta-feira (25), foram 17% maiores do que as registradas no evento de 2015. No pico, entre 0h e 1h, foram realizados cerca de 50 pedidos por segundo no varejo eletrônico bra­sileiro, informou a consultoria Ebit, do Buscapé.

O evento rendeu ao comércio eletrônico faturamento de cerca de R$ 1,9 bilhão. O resultado ficou abaixo do esperado pela própria consultoria, que projetava vendas totais de R$ 2,1 bilhões, o que representaria crescimento de cerca de 30%.

Previsões semelhantes, de ao menos R$ 2 bilhões, também foram feitas pela organização do evento (a Blackfriday.com.br) e associações do setor de comércio eletrônico.

O número de pedidos cresceu 5%, para 2,23 milhões, enquanto o valor médio de gastos do consumidor foi de R$ 653 – montante 13% maior do que no ano passado.

Cerca de 20% das compras on-line – ou R$ 380 mi­­lhões – foram feitas por meio de dispositivos móveis (celulares e tablets). No ano passado, essa modalidade respondeu por 9% do volume.

Quando se somam as vendas totais da sexta-feira com as registradas entre 20h e meia-noite de quinta-feira, período em que a maioria das lojas virtuais começou a colocar promoções no ar, o faturamento somou R$ 2,06 bilhões, mais próximo do calculado pela Ebit.

Em nota, a consultoria aponta que a antecipação de promoções acelerou as vendas na quinta-feira, o que ajudaria a explicar as vendas abaixo do esperado na Black Friday propriamente dita.

Reclamações

Seguindo avaliações do mercado, a Black Friday deste ano teve menos problemas do que as edições anteriores.

O Procon-SP registrou 845 reclamações de compradores pela internet neste ano. Em 2015, quando as queixas também tinham caído, foram 1.184.

A queixa mais recorrente nesta edição foi a mudança de preços de produto no fechamento da compra (quando o produto estava no carrinho). A seguir vieram reclamações de produtos em oferta indisponíveis e a maquiagem de preços –quando produtos têm valores inflados em semanas anteriores à Black Friday.

O órgão também fiscalizou 58 lojas físicas e encontrou irregularidades em nove delas (15%). Em 2015, o Procon-SP havia monitorado 35 lojas e constatado problemas em 14 (38%).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*