Esportes, Outros Esportes

Bicampeã olímpica do martelo brilha em São Bernardo, e Thiago Braz decepciona

Anita Wlodarczyk venceu a prova com 78,00 m, novo recorde do GP. Foto: Wagner Carmo/CBAtCom bom público nas arquibancadas da Arena Caixa, em São Bernardo, o GP Brasil Caixa de Atletismo 2017 superou neste sábado (3) as expectativas dos organizadores, com a quebra de recordes do torneio e com atletas superando suas marcas pessoais. No lançamento do martelo feminino, a bicampeã olímpica Anita Wlodarczyk (Polônia) venceu a prova com 78,00m, novo recorde do meeting.

Nos outros três lançamentos a que teve direito, Anita ainda fez 75,88m e 75,45m – o recorde anterior era 74,26m, da cubana Ypsi Moreno, de 2011. “Estou muito feliz com o resultado, que era o que esperava para este momento da temporada, e ainda vou crescer até o Mundial (Londres, em agosto)”, disse a atleta.

No masculino, a principal marca foi a alcançada pelo brasileiro Darlan Romani (B3 Atletismo) no arremesso do peso, com 21,82m, recorde do GP e sul-americano, além de se constituir na quinta melhor performance do ranking mundial da temporada. “Estou trabalhando forte, procurando manter a regularidade e alcançar os 22m”, afirmou o atleta, quinto na Olimpíada do Rio.

No salto com vara, o campeão olímpico Thiago Braz da Silva (Pinheiros) ficou em segundo com 5,40m, atrás do também brasileiro Augusto Dutra (Orcampi Unimed), que marcou 5,60m, melhor marca pessoal no ano. Augusto comemorou o salto. “Estou ainda em recuperação, tentando voltar à melhor forma”, disse o brasileiro, que teve suas varas extraviadas na vinda para o Brasil. O campeão agradeceu ao colega Bruno Spinelli, que emprestou o material.

Braz explicou que esperava saltar melhor, mas negou estar decepcionado. Foto: Wagner Carlo/CBAtThiago Braz, por sua vez, explicou que esperava saltar melhor, mas que não estava decepcionado. “Meu treino está mudando e é natural que haja certa irregularidade no começo, mas aos poucos vamos voltar a um padrão forte de competição”, afirmou.

No triplo masculino, a vitória foi do brasileiro Mateus de Sá (Pinheiros), com 16,87m. Com a marca, Mateus conseguiu o índice para o Mundial de Londres, que é 16,80m. “Estou feliz, por fazer o índice e ainda por bater meu recorde pessoal (que era 16,63m)”, disse o atleta, que foi bronze no Mundial Sub-20 de Eugene, em 2014.

Quem também fez o índice para o Mundial foi Vitória Rosa (B3 Atletismo), que venceu os 200m com 23s09 (o índice é 23s10). “A temporada está sendo uma surpresa. Mudei do Rio para São Paulo, troquei de treinador – agora está com Katsuico Nakaya – e estou fazendo as melhores marcas da minha carreira”, disse.

Paulo André Camilo de Oliveira (Pinheiros) também estava feliz por vencer os 100m, com 10s23, igualando seu melhor tempo da prova. “Fiquei dois meses e meio num camping da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), nos EUA. Aqui esperava um tempo melhor, mas o resultado foi bom”, afirmou o velocista.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*