Editorias, Mundo, Notícias

Barack Obama e líderes europeus reforçam comprometimento com Otan

Barack Obama e principais líderes europeus se reuniram ontem. Foto: La Moncloa/ Gobierno de EspañaReunidos em Berlim ontem (18), o presidente norte-americano Barack Obama e os principais líderes europeus reforçaram o seu comprometimento com a Otan (aliança militar ocidental). O assunto é especialmente relevante após a eleição de Donald Trump na semana passada. O republicano questionou em mais de uma ocasião o papel da Otan.

Obama se reuniu com a chanceler alemã Angela Merkel, a premiê britânica Theresa May, o premiê italiano Matteo Renzi, o premiê espanhol Mariano Rajoy e o presidente francês François Hollande. Após a reunião, ele viajou para o Peru. Essa deve ser sua última viagem ao exterior como presidente dos EUA. Antes, esteve em Atenas.

“Os líderes concordaram a respeito da necessidade de trabalhar coletivamente para avançar a agenda transatlântica, particularmente na estabilização do Oriente Médio e da África”, segundo um comunicado da Casa Branca. Também reafirmaram “a importância da cooperação contínua por meio de instituições multilaterais, incluindo a Otan”, diz a nota.

Defesa

Trump pediu, durante a sua campanha, maior colaboração de Estados europeus para o orçamento da Otan. Essa é postura comum a Obama e Hillary Clinton, derrotada no pleito. Porém, a retórica do republicano é entendida como uma ameaça, na União Europeia, e como um risco ao tratado.

Trump questionou também a obrigação de os EUA defenderem um aliado no caso de um ataque russo. Esse é justamente um dos fundamentos da aliança militar. Ademais, Trump declarou sua admiração por Vladimir Putin, presidente da Rússia e, portanto, rival da Otan.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, afirmou ontem estar seguro de que Trump irá manter a liderança dos EUA na aliança. Ele disse planejar uma conversa com o presidente eleito por telefone para em breve.

Outro assunto debatido por Obama e os líderes europeus nesta semana foi o futuro das negociações por um acordo de comércio entre EUA e Europa, o chamado TTIP. Trump é hostil à ideia, defendida por Obama e Merkel em um artigo conjunto.

A chanceler alemã afirmou na quinta-feira que o acordo não deve ser concluído, agora, após a eleição de Trump. A expectativa é de que as tratativas sejam paralisadas.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*