Economia, Notícias

Baixo nível de água nas hidrelétricas vai deixar a conta de luz mais cara

Atual patamar de ocupação dos reservatórios é o quinto pior da história. Foto: ArquivoO nível de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas do país está entre os mais baixos da história e se aproxima do registrado durante o racionamento realizado entre 2000 e 2001.

As térmicas afastam o ris­co de falta de energia. A previsão, porém, é de estiagem e aumento na conta luz, alertam especialistas do setor. “Estamos perto dos níveis pré-racionamento, os mais críticos já vistos”, disse o consultor de energia Ricardo Lima.

A expectativa é que a conta em outubro venha com a taxa extra máxima, a chamada bandeira vermelha no patamar 2. Significa que será cobrado adicional de R$ 3,50 a cada 100 kWh de energia consumidos nas residenciais.

O cenário é de aumento também para empresas que se abastecem no chamado mercado livre, onde é possível comprar e vender energia por meio de contratos entre as partes, sem a intermediação de uma distribuidora.

Quem firmar novo contrato agora pode ter aumentos de até 30%, estima Marcelo Parodi, sócio da comercializadora Compass Energia.

O mercado livre hoje é muito pulverizado. Mais de 6 mil empresas, entre grandes indústrias, redes de supermercados, shoppings, hotéis e prédios empresariais, estão no mercado livre.

“Muitas empresas, cujos contratos estão vencendo, preferem esperar o início do verão e das chuvas, na expectativa de conseguir preços melhores e evitar a alta nos custos justo agora, quando há sinais de retomada e a expectativa é de recuperação do fôlego financeiro, não de mais arrocho”, disse Parodi.

Desalentadoras

As projeções do Operador Nacional do Sistema (ONS), organismo responsável pe­lo monitoramento e gestão das barragens de hidrelétricas, são desalentadoras.

Segundo Marcelo Prais, assessor da diretoria do ONS, a expectativa é de que os reservatórios do Sudeste fechem o mês com 25% da capacidade. No mesmo mês do ano passado estavam perto de 40%. No Nordeste, onde a situação é mais crítica, o nível deve ficar em apenas 9%.

Em nível nacional, Prais lembra que se trata do quinto pior patamar registrado na série histórica, de 85 anos. Nas usinas do Norte e do Nordeste, porém, é o mais baixo.

“O parque térmico – que inclui usinas nucleares, a gás, óleo, carvão – e os parques eólicos têm garantido o abas­tecimento”, disse Prais. Na quinta-feira (21), por exemplo, respondeu por 23% do suprimento nacional. No Nordeste, metade da carga é mantida pelas eólicas.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*