Política-ABC, São Caetano do Sul, Sua região

Auricchio anuncia quatro primeiros secretários, e demais saem até dia 10

Moro, Erica, Auricchio, Sílvia e Vidoski: “prevalência do critério técnico”. Foto: Divulgação

O prefeito eleito de São Caetano, José Auricchio Junior (PSDB), divulgou ontem (2) os primeiros quatro nomes de seu secretariado. Os chefes das demais pastas da prefeitura a partir de 1º de janeiro devem ser anunciados até o próximo sábado, juntamente com os detalhes da minirreforma administrativa que será implementada pelo tucano em 2017. O plano inclui a redução do número de secretarias da administração municipal, que hoje totalizam 16.

“Vamos apresentar uma minirreforma administrativa que terá um enxugamento, mas estamos fechando esse pacote. Depende de alguns aspectos jurídicos e não quero me antecipar a isso”, informou o futuro prefeito. Mantidas nas configurações atuais, as secretarias de Planejamento e Gestão, e Obras e Habitação passarão a ser chefiadas a partir de janeiro pela advogada Sílvia de Campos e pelo arquiteto Enio Moro, respectivamente.

O vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB) vai acumular a pasta de Esportes, Turismo e Juventude, enquanto a dentista e advogada Erica Mateo Zygmunt ficará à frente da secretaria de Assistência e Inclusão Social. Durante o anúncio, Auricchio destacou que a escolha dos nomes foi baseada na experiência e no perfil técnico dos profissionais.

“Esses quatro nomes se juntarão aos 12 que ainda faltam ser convidados, mas fazendo valer o critério técnico que será o diferencial nos próximos quatro anos da cidade”, destacou. “Naturalmente, a composição política é importante e deve ser respeitada, desde que a gente tenha a prevalência do critério técnico”, completou.

Projetos

Com orçamento inferior apenas aos das pastas de Saú­de, Educação e Serviços Urbanos, a Secretaria de Planejamento e Gestão terá cerca de R$ 91 milhões disponíveis em 2017, conforme previsão orçamentária avalizada na Câmara. Para Silvia de Campos, porém, ainda é cedo para projetar ações. “Vamos ver o material da transição – que, infelizmente, é muito pouco – e ir atrás de informações para ter uma visão mais abrangente da secretaria”, informou.

Os demais secretários anunciados deverão dispor de outros R$ 76,5 milhões, sendo R$ 33,4 milhões para Esportes, Turismo e Juventude, R$ 39 milhões para Assistência Social e Inclusão e R$ 4,1 milhões para Obras e Habitação. Escolhido para a pasta de Esportes, Vidoski deverá destinar o recurso para “três pilares” principais: esportes de alto rendimento, centros esportivos e o programa esportivo comunitário.

“Na campanha conversamos muito com a população e entendemos que é a forma de trazer crianças e jovens de volta ao esporte. Esse é o objetivo”, disse Vidoski.

Enio, por sua vez, projeta trabalhar em cinco eixos na pasta de Obras e Habitação: políticas urbanas, habitação, Parceiras Público-privadas (PPPs), equipamentos públicos e planejamento urbano. “A Secretaria de Obras deve retomar um papel de protagonismo”, enfatizou, na ocasião.

Zygmunt projeta herdar uma das secretarias “mais desorganizadas” da atual gestão e afirma que precisa se inteirar sobre a pasta antes de traçar plano de trabalho.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*