Mauá, Minha Cidade, Sua região

Atila vai rever aumento de ônibus e fim do passe livre estudantil

Atila vai rever aumento de ônibus e fim do passe livre estudantil
Atila: “Fui um líder estudantil que lutou pelo passe livre”. Foto: Roberto Mourão/PMM

Atualizado dia 20, às 18h

O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), afirmou on­tem (18), após retomar o comando do Executivo, que vai rea­valiar decisões tomadas pelo governo interino da vice Alaíde Damo (PSDB), como o aumento da tarifa do transporte público, a redução das gratuidades e o reajuste aplicado ao Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).
O socialista reassumiu a prefeitura após permanecer 67 dias longe da administração.

“A prefeita interina poderia reajustar o transporte pú­blico, desde que seguisse a in­flação. Porém, o aumento ficou acima da inflação. Além disso, retirou o passe livre dos estudantes e diminuiu as gratuidades para deficientes. Esse ponto vai ser revisto”, disse Atila, durante entrevista coletiva concedida à imprensa após assinar termo de posse.
“Eu foi um líder estudantil que lutou pelo passe livre. Não posso admitir a retirada desse benefício, porque significaria ir contra minha história”, prosseguiu.

Atila também disse que Alaí­de “acabou com a baldeação” na cidade e causou a demissão de 18% dos cobradores. “Eram moradores de Mauá”, afirmou.

Segundo as normas esta­belecidas pela prefeita interina, o Cartão Escolar – que dava direito à gratuidade de 100% – só pode ser usado por estudantes da rede pública de ensino, em dias letivos. Os demais alu­nos vão pagar meia tarifa.

A resolução estabelece ain­da que apenas bolsistas universitários que utilizam Pro­Uni, Fies ou possuem bolsa de 100% podem obter isenção tarifária no transporte.

Outros pontos passíveis de revisão pelo socialista são os aumentos aplicados no IPTU e na Contribuição de Iluminação Pública (CIP). Esses assuntos serão discutidos durante reu­nião do “núcleo duro” do go­verno, que ocorre hoje.

A reunião também deve tra­tar da formação do primeiro escalão do governo, “desmanchado” durante a gestão interina de Alaíde. O único nome confirmado foi o de Silvia Prin Grecco, titular de Promoção Social, mas outros devem ser confirmados esta semana, como Andreia Rolim Rios, que comandava a Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres.

Prefeitura cadastra famílias desabrigadas no  Zaíra

A Prefeitura de Mauá deu início ao cadastramento das famílias desabrigadas no Jar­dim Zaíra em decorrência das chuvas ocorridas no último sábado (16). Quatro crianças morreram em dois desabamentos de casas ocorridos no bairro.

Segundo o prefeito Atila Jacomussi (PSB), as 24 famílias que tiveram suas casas interditadas receberão auxílio aluguel por seis me­ses, podendo ser es­ten­dido por igual período. O valor ain­da não foi estabelecido.

“Estamos dando todo o apoio psicológico e estrutural para essas famílias. Lamento muito o que aconteceu, mas Ma­uá infelizmente sofre com este mal crônico. São 36 mil pessoas em áreas de risco e a maioria das invasões é antiga”, disse.

O ginásio de Vila São João recebeu parte dos moradores desalojados no domingo. Outros foram para a casa de familiares.

Atila afirmou que vai pedir a ajuda do Consórcio Intermunicipal ABC para destravar junto ao governo federal as verbas de quatro projetos de urbanização e saneamento básico do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) destinados ao Chafik, onde estão as casas que desabaram ou foram interditadas.

O prefeito também pre­tende se reunir com técni­cos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, que instalou sensores de movimentação de terra em áreas de risco da cidade em 2015, durante a gestão de Doni­sete Braga. Segundo Atila, o IPT levou os sensores para manutenção, mas não os devolveu.

Questionado, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas afirmou que “os sensores não foram instalados pelo IPT, mas sim pelo CEMADEN (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) do Governo Federal”.

TRAGÉDIA

Os corpos dos irmãos Guilherme dos Santos da Vi­tória, de 4 anos, e José Henrique Santos da Vitória, de 7, que morreram soterrados após desabamento de terra no último sábado, foram enterrados na ma­nhã de ontem no Cemitério Santa Lídia, em Mauá.

Os corpos dos irmãos Maria Heloísa dos Santos Sales, de 1 ano, e de Miguel dos Santos Silva, de 8, haviam sido enterrados no domingo no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em Santo André.

Outras duas vítimas da tragédia de sábado seguiam internadas ontem, em estado de saúde estável.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*