Saúde e Beleza

Associação Médica Brasileira lança Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid-19

A Associação Médica Brasileira lançou o Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid-19 (CEM), que visa acompanhar permanentemente a pandemia em todo o território nacional, bem com as ações dos órgãos responsáveis pela saúde pública. A iniciativa é apoiada pelas 54 Sociedades de Especialidades e 27 Federadas AMB, entre as quais a Associação Paulista de Medicina (APM).

“Nesse momento, não podíamos deixar de nos posicionar com absoluta clareza frente ao cenário mundial, extremamente frágil, para dizer qual é o nosso papel. Lembrando que a gestão das políticas de Saúde não está em nossas mãos, portanto, queremos ser críticos e ao mesmo tempo propositivos, tanto para informar a população como para alimentar os gestores de Saúde”, explicou o presidente da AMB, César Eduardo Fernandes, abrindo a coletiva.

Na sequência, ele fez uma breve exposição cronológica da pandemia desde o surgimento do primeiro caso de infecção pelo vírus Sars-Cov-2 no Brasil, em fevereiro de 2020. Em dezembro do ano passado, já se somavam cerca de 200 mil mortes pela pandemia.

Diante do cenário alarmante no Amazonas, um dos estados mais críticos em proporção de infecções, somadas a falta de balões de oxigênio e ao anúncio de uma nova variante do vírus, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do uso das vacinas Coronavac e de Oxford, em janeiro deste ano.

“Em fevereiro, nós da AMB, preocupados com essa questão, construímos uma força-tarefa e enviamos 32 médicos a Manaus para apoiar o atendimento à população frente à dramaticidade e à exaustão do sistema médico hospitalar físico e emocional. Já se prenunciava também o colapso em Rondônia, Acre e Roraima. E chegamos a 250 mil mortes pela covid-19 no Brasil”, acrescentou Fernandes.

Como alertou o presidente da AMB, os números continuam subindo e em 25 das 27 capitais brasileiras, 80% dos leitos estão ocupados, um alerta crítico às autoridades públicas.  “Apesar de todos os apelos feitos ultimamente na maioria dos estados brasileiros, com alguns tomando medidas bem severas para isolamento social, dados de 12 de março mostram apenas 32,7% de isolamento social. Precisamos conscientizar a população para que voltemos a ter patamares maiores do que hoje estamos.”

Fernandes acrescentou, ainda, que a aplicação das doses de vacina caminha lentamente, com apenas 4,6% da população imunizada com a primeira dose e 1,67% com a segunda dose.

“Qual é o nosso prognóstico? O que nós médicos podemos fazer? Se pudéssemos prescrever, diríamos sobre a importância da vacinação em massa para todas as populações. É a medida ideal para controlarmos a velocidade da propagação do vírus. É possível afirmar, ainda, que neste momento ocorre a falta de uniformidade de informações, o balanço médico e o que as autoridades de Saúde nos passam. Diante desse quadro, só nos resta prevalecer com as medidas de proteção individual de cada um de nós brasileiros”, completou.

Em seguida, o diretor Científico da Associação, José Eduardo Lutaif Dolci, leu a “Carta dos médicos do Brasil à nação”, publicada pela instituição nesta segunda-feira e assinada também pelas Sociedades de Especialidades e pelas Federadas AMB.

O Comitê

O CEM funcionará em regime permanente, enquanto durar a crise sanitária. Terá um núcleo executivo formado por médicos com legítima autoridade no campo da prevenção e da atenção aos pacientes acometidos pela doença.

Além do monitoramento da pandemia, transmitirá orientações periódicas de conduta para cuidados e prevenção aos cidadãos e aos profissionais da Medicina. “O momento torna necessárias comunicações recorrentes com esclarecimentos e orientações à saúde, por mais simples que pareçam. São elas a vacina, o combate às fake news e a conscientização individual e coletiva para as medidas gerais de prevenção”, destaca o manifesto.

Durante a coletiva, o presidente da Associação Paulista de Medicina (APM) e membro do CEM, José Luiz Gomes do Amaral, reforçou a necessidade de o País adquirir doses para vacinar os quase 213 milhões de brasileiros. “Isso é o que precisamos, porque hoje o Brasil supera duas mil mortes em 24 horas, é absolutamente inaceitável. Se olharmos os melhores números das vacinações anteriores, temos um excelente programa de vacinação. Já chegamos a vacinar 1 milhão de brasileiros por dia.”

Além de solicitar o aceleramento do programa de vacinação, Gomes do Amaral reiterou a defesa das medidas protetivas como o uso de máscara e o isolamento social. “O lockdown (confinamento total) é absolutamente emergencial. Se não o fizermos isso, teremos mais superações de mortes. Basicamente, temos países como Inglaterra e Portugal que fizeram lockdown há dois meses, e o município paulista de Araraquara, com ótimos resultados”, concluiu.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*