Diadema, Política-ABC, Sua região

Após mobilização, governo do Estado decide manter posto do IML em Diadema

Orlando Vitoriano: “O IML vai ficar em Dia­dema, mas a prefeitura terá de assumir o compromisso de reformar o local e, posterior­mente, levar o instituto para um espaço mais apropriado, a fim de melhorar os atendimentos”. Foto: Reprodução/FAcebook
Orlando Vitoriano: “O IML vai ficar em Dia­dema, mas a prefeitura terá de assumir o compromisso de reformar o local e, posterior­mente, levar o instituto para um espaço mais apropriado, a fim de melhorar os atendimentos”. Foto: Reprodução/Facebook

O posto do Instituto Médico Legal (IML) de Diadema já está com o atendimento normalizado desde está quarta-feira (7). A informação foi confirmada pela prefeitura por meio nota. Na última segunda-feira, o município foi notificado sobre o fechamento da unidade do instituto. O governo do Estado havia decidido transferir os serviços de Diadema para o posto de São Bernardo.
A Superintendência da Polícia Técnico-Científica (SPTC) justificou o fechamento do IML da cidade sob a alegação de que as mudanças visavam otimizar recursos e agilizar os procedimentos.

A Prefeitura de Diadema foi pega de surpresa com a notificação e pela decisão unilateral do governo estadual, que na data informou sobre o fechamento do posto, mas não passou nenhum tipo de orientação sobre como o serviço seria prestado na cidade.

Vereadores, deputados e governo municipal se mobilizaram para a continuidade dos serviços no município e, após reunião nesta quarta-feira, ficou decidido pela manutenção da unidade de Diadema, mas com ressalvas. “O IML vai ficar em Dia­dema, mas a prefeitura terá de assumir o compromisso de reformar o local e, posterior­mente, levar o instituto para um espaço mais apropriado, a fim de melhorar os atendimentos”, disse o vereador Orlando Vitoriano (PT), líder do governo na Câmara.

Em nota, a prefeitura informou que “o Instituto Médico Legal continua na cidade de maneira integral e que os serviços já estão sendo prestados normalmente nesta quarta-feira. A decisão foi oficializada após acordo entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Diadema, representada pelo secretário municipal de Defesa Social, Benedito Mariano. Para a semana que vem, ficou agendada uma reunião com o secretário de Segurança Pública, General João Camilo Pires de Campos, na qual será discutido o plano de trabalho que envolve as novas instalações do IML na cidade”.

DESRESPEITO

O vereador Eduardo Minas (PROS), que integrou grupo de parlamentares que se mobilizaram na segunda-feira e, inclusive, lavraram Boletim de Ocorrência contra a forma arbitrária que foi fechado o posto, afirmou que houve desrespeito com a população de Diadema. Des­tacou, ainda, que se tivesse ocorrido alguma morte na data, o município não saberia qual procedimento adotar.

“Para o ingresso do posto do IML em Diadema foi firmado convênio com o governo do Estado. Se espera que, se entrou por escrito, que se saia por escrito, mas o go­verno do Estado não tratou Diadema da forma respeitosa que um município do nosso tamanho merece. Não houve publicação na imprensa oficial. Não teve ato admi­nistrativo. A mobilização, a unidade da Câmara, foi fundamental nesse processo”, afirmou.

Nesta quarta-feira, o deputado federal Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT), destacou o desmonte de serviços na cidade. “Em meio ao alto número de mortes por conta da pandemia aconteceu algo inusitado em Diadema, o governo Doria, sem aviso prévio retirou o IML da cidade. Em uma cidade que está morrendo gente todos os dias. É absurda (a medida). Claro que ocorreu mobilização dos vereadores e secretários. Valeu a luta porque voltaram atrás. Esses dias já ameaçaram retirar o INSS. Outro absurdo, uma cidade tão grande é operária como Diadema. A Receita Federal já tiraram faz tempo. Há necessidade de aparelhar o município. Que não se repita jamais um absurdo como esse”, afirmou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*