Economia, Notícias

Ao completar 35 anos, MBigucci cria empresa para atuar no ‘Minha Casa’

Ao completar 35 anos, MBigucci cria empresa para atuar no ‘Minha Casa’
Milton Bigucci (centro) posa para foto comemorativa ao lado de executivos da construtora e de prefeitos de municípios do ABC. Foto: Divulgação

No dia em que completou 35 anos de existência, a MBi­gucci anunciou, ontem (24), a criação da empresa Big­Tec, braço da construtora foca­do em empreendimentos eco­nô­micos. A nova marca vai ofe­recer imóveis com preço até R$ 240 mil, enquadráveis no Minha Casa, Minha Vida.

O objetivo da companhia é atender as fai­xas 2 e 3 do pro­grama habitacional do go­­ver­no federal, as quais contemplam famílias com renda en­tre três e dez salários mínimos (R$ 2.862 a R$ 9.540).

“Há dois anos, a MBiguc­ci resolveu apostar no seg­men­to econômico e passou a adquirir áreas para a construção de em­preendimentos voltados ao Mi­­nha Ca­sa, Minha Vida. Os imóveis terão de 37m² a 45m² e teto de preço estipulado pe­la Caixa Econômica Fede­ral”, dis­se o diretor técnico da cons­tru­tora, Milton Bigucci Junior, durante evento em comemora­ção aos 35 anos da empresa, prestigiado por prefeitos de municípios da região e outras autoridades.

O presidente da construtora, Milton Bigucci, explicou que os empreendimentos com a marca BigTec terão o mesmo padrão de qualidade da MBiguc­ci. “Fa­remos um Minha Ca­­sa diferenciado, com área de lazer, piscina, salão de festas, churrasqueira, paisagismo. Enfim, com as características que estamos acostumados a entregar”, disse.

Porém, para se enquadrar no programa habitacional, a BigTec vai in­ves­tir em novos métodos construtivos e na otimi­zação do processo comer­cial. “Co­mo, no Minha Casa, as mar­­gens são muito apertadas, é pre­ciso planejamento estratégico diferenciado e o uso de tecnologias que proporcionem maior performance e menor custo”, disse Milton Junior.

Para marcar o início da atuação da BigTec no mercado, três empreendimentos com a marca serão lançados entre novembro deste ano e março de 2019.

Os primeiros a chegar são o Alvorada, situado em Itaquera, zona Leste da Capital, com 120 unidades de 39m² e preço entre R$ 190 mil e R$ 220 mil; e o Terra Nostra, em Guarulhos, com três torres, 330 unidades de 43m² e 44m², e preço entre R$ 190 mil e R$ 225 mil. “É nosso primeiro projeto em Guaru­lhos”, ressaltou Milton Junior.

Em 2019 deve ser lançado o residencial Amé­rica, no bairro Cooperativa, em São Bernardo, com três torres, 378 unidades de 44m² a 46m² e pre­ço a partir de R$ 190 mil.

A estimativa para os três residenciais é de Va­lor Geral de Vendas – indicador que expressa o potencial de receita dos em­preendimentos – em torno de R$ 160 milhões. No total, a MBigucci projeta R$ 300 mi­lhões em lançamentos para 2019.

Empresa começou com prédio de três andares na Capital

A construtora MBigucci con­tabiliza mais de um milhão de metros quadrados construídos desde sua fundação, em 24 de outubro de 1983, e tem em seu portfólio empreendimentos grandiosos, como o Marco Zero, mas pouca gente sabe que o primeiro prédio erguido pela empresa na Vila Liviero, na Capital, tinha apenas três andares e 16 apartamentos.

“Quando ergui nosso pri­meiro edifício não imaginava que, 35 anos depois, a construtora teria o tamanho que tem hoje”, reconheceu o presidente Milton Bigucci, durante evento realizado, ontem (24), na cober­tura do Marco Zero, em São Bernardo, para comemorar os 35 anos da empresa.

O evento foi prestigiado pelos prefeitos de Santo André, Paulo Serra (PSDB); São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB); Diadema, Lauro Michels (PV), e de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), além do secretário de Desenvolvi­mento Econômico de São Bernardo, Hiroyuki Minami.

Desde 1983, a construtora acumula 400 empreendimentos e 10 mil unidades erguidas, das quais 6 mil no ABC. A empresa estima que 25 mil pessoas morem em imóveis fabricados pela MBigucci. “É mais do que boa parte das cidades brasileiras”, afirmou.

Milton Bigucci destacou que a empresa tem superado bravamente a crise que acomete o mercado imobiliário desde 2015 e que está pronta para voltar a crescer. “É uma construtora tremendamente sóli­da, que não tem um centavo de dívida e que é administrada com muita responsabilidade. Se, antes, tocávamos 30 obras, hoje tocamos dez.

Não adianta começar a construir e quebrar no meio do caminho”, disse.
Bigucci afirmou que a cons­trutora aproveitou a crise para adquirir terrenos e que, por isso, “está alicerçada para os próximos dez anos”.

Construtora lançará condomínio logístico em Santo André no próximo ano

Tradicionalmente reco­nhe­cida por seus empreendi­men­tos residenciais, a MBigucci tem for­talecido sua atuação no seg­mento de lo­cação, especialmente no de condomínios industriais. A empresa prepara o lançamento, no próximo ano, do Business Park Santo André, que será erguido em terreno de 110 mil metros quadrados na Avenida dos Estados, no bairro Capuava.

O empreendimento terá 50 galpões modulares que podem variar de 1.200m² a 25 mil metros quadrados. As obras devem começar no primeiro semestre de 2019.

O lançamento é respal­dado pelos bons resultados da MBigucci em outros empre­en­­dimentos do gênero. Con­­domínio industrial inaugurado em 2012 pela empresa em Dia­dema tem 95% dos 26 galpões locados. “São multinacionais que es­colheram nossos galpões, es­colheram o ABC e geram empregos na região”, disse o diretor de Locações da cons­trutora, Marcelo Bigucci.

Mais recentemente, a em­pre­sa adquiriu terreno de 52 mil metros quadrados na Avenida Caminho do Mar, no bairro Rud­ge Ramos, em São Bernar­do, e o transformou em condomínio logístico. Ocupado até o final de 2015 pela indústria de bebidas Bacardi Brasil, o local abriga ago­ra o Business Park São Ber­nardo, com 15 módulos já locados.

Entre as empresas que já ocupam o empreendimento figuram o Sonda, que vai ina­u­gurar no final deste mês hi­permercado de 7 mil me­tros quadrados; e a Flash Courier, do setor logístico.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*