Brasil, Editorias, Notícias

Antes da posse, Kassab pede licença; Aloysio será 7º ministro de Temer com Doria

Antes de tomar posse, Kassab pede licença
Doria afirmou que “compreende que o pedido de licença permitirá a Gilberto Kassab fazer sua defesa e comprovar sua inocência”. Foto: Folhapress

Convidado para comandar a Casa Civil de São Paulo a partir de janeiro, o atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD), pediu ao governador eleito João Doria (PSDB) a concessão de uma licença, não remunerada, para entrar em vigor logo no início da gestão.

O pedido, segundo a assessoria do ministro, foi feito para que Kassab se dedique à “organização e ao encaminhamento de informações solicitadas por sua defesa” em investigação que apura a suspeita de pagamentos irregulares a Kassab de 2010 a 2016. O pessedista nega irregularidades.

Em nota, Doria afirmou que “compreende que o pedido de licença permitirá a Kassab fazer sua defesa e comprovar sua inocência”.

Em 19 de dezembro, Kassab foi alvo de ação da Polícia Federal. Endereços ligados ao ministro foram alvo de mandados de busca e apreensões. Kassab é suspeito de receber R$ 58 milhões do Grupo J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista.

Durante a operação, os policiais federais encontraram R$ 301 mil no apartamento do ministro em São Paulo. A ação foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que foi secretário de Kassab durante sua gestão como prefeito da Capital (2008 a 2012).

Em pedido encaminhado ao STF, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sustentou que os repasses a Kassab foram feitos entre 2010 e 2016, quando ele teria recebido R$ 350 mil mensais, alcançando, ao todo, R$ 30 milhões; e em 2014, quando foram pagos R$ 28 milhões ao PSD, segundo a PGR. Na ocasião, o ministro afirmou que está “tranquilo” e que a Procuradoria ainda não concluiu a investigação. “Eu me coloquei à disposição para colaborar como puder”, disse.

ALOYSIO

O ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB) vai presidir a Investe SP, agência paulista de promoção de investimentos, a convite de Doria. O tucano assumirá suas funções no governo paulista no dia 5 de fevereiro. Aloysio Nunes é o sétimo ministro do governo do presidente Michel Temer a fazer parte da gestão do tucano em São Paulo, que já mira as eleições de 2022.

A Investe SP é um órgão que fica sob responsabilidade da Secretaria da Fazenda, Planejamento e Gestão, que será encabeçada por Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda de Temer. Além dos dois, serão nomeados Rossieli Soares (Educação), Sérgio Sá Leitão (Cultura), Alexandre Baldy (Transportes Metropolitanos) e Vinícius Lummertz (Turismo).

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*