Últimas Notícias

Aluno que não fizer atividades pode ser reprovado, diz secretário Rossieli Soares

O aluno matriculado na rede pública estadual de ensino que deixar de entregar atividades escolares este ano poderá ser reprovado, admitiu nesta quarta-feira (7) o secretário estadual da Educação de São Paulo, Rossieli Soares. Segundo o secretário, nenhum aluno será reprovado por desempenho. Porém, a reprovação poderá ocorrer para os alunos que não entregaram quaisquer atividades neste ano.

“Obviamente, em um ano normal, se o aluno não alcança ou não aprende as habilidades que são esperadas, se não alcança a média (nota) mínima estabelecida, pode ser reprovado. Porém, não estamos falando disso. Mesmo que o aluno tenha alguma dificuldade (este ano) ou não tenha aprendido determinada habilidade, poderá progredir”, disse Soares. “Contudo, os estudantes que não entregarem nenhuma atividade poderão ser retidos ainda neste ano. Porém, é um percentual menor (de estudantes nessa situação)”, pontuou.

“Vamos dar opção (ao aluno) de entregar posteriormente o trabalho. O mínimo que estamos exigindo são os materiais impressos que estão acessíveis a todos os estudantes. Se a família ainda não retirou, pode retirar (esse material) na escola”, acrescentou o secretário.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, as aulas presenciais estavam suspensas em todo o Estado desde março. Desde então, as aulas das escolas estaduais aconteciam de forma remota e online, sendo transmitidas por meio do aplicativo Centro de Mídias SP (CMSP), plataforma criada pela Secretaria de Educação. As aulas também são transmitidas por meio dos canais digitais na TV 2.2 – TV Univesp e 2.3 – TV Educação.

Entretanto, nesta quarta (7), foram retomadas, de forma opcional, as aulas presenciais para estudantes do ensino médio, dos Centros de Educação de Jovens e Adultos (CEEJA) e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A medida vale para escolas municipais, estaduais e particulares, mas precisa ser autorizada pelos prefeitos.

ANO LETIVO

O secretário disse ainda que o ano letivo de 2020 e 2021 será trabalhado na rede pública estadual como um ciclo único de ensino. A ideia é fazer a unificação em oito bimestres. “Essa recuperação [do aluno que teve dificuldades ou que não conseguiu aprender] será avaliada nos últimos oito bimestres, ou seja, [somando] as quatro notas do ano de 2020, mais as quatro notas do ano de 2021, criando um ciclo entre esses dois anos por conta da pandemia”, disse o secretário.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*