Economia, Notícias

ABC fecha 31,7 mil vagas formais em 2016 e ocupação recua sete anos

Em um cenário de atividade econômica em que­da, o mercado de traba­lho do ABC fechou vagas pelo ter­ceiro ano consecutivo e derrubou o estoque de postos com carteira assinada em 4,2%.

Em 2016, o saldo líquido entre contratações e de­missões na região ficou ne­ga­tivo em 31.691 vagas extintas, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem (20).

O resultado só não foi pior do que o registrado em 2015, quando as demissões superaram as contratações formais em 42,8 mil (veja gráfico ao lado). A série histórica do Ministério do Trabalho começou em 2002.

Com a perda acumulada de 85,7 mil vagas entre 2014 e 2016, o nível de emprego com carteira no ABC recuou ao patamar de 2009, uma vez que o saldo negativo no triênio anula quase totalmente os 90,6 mil postos de trabalho gerados no período de 2010 a 2013.

Somente em dezembro houve o fechamento líquido de 6.208 empregos – resultado esperado para o mês, devido à queda da demanda na indústria e ao encerramento de contratos temporários nos serviços, principalmente no ensino.

Indústria demite

No corte por atividades econômicas, a indústria deu a principal contribuição para o resultado negativo de 2016, com o fechamento de 15.808 vagas, ou 49,9% do total. Foi o quinto ano seguido de queda na ocupação no setor.

Dentro da indústria, o pior resultado veio do subsetor de material de transporte, que reúne montadoras e fabricantes de autopeças, com 6,8 mil empregos extintos, seguido de metalurgia (-1.757), produtos químicos, farmacêuticos e veterinários (-1.381) e artigos de borracha (-1.126).

O setor automotivo registrou em 2016 o quarto ano consecutivo de redução nas vendas de veículos.

Não por acaso, São Bernardo foi o município com o pior resultado em 2016 – fechamento de 15.406 vagas, ou 48,6% do total do ABC. A cidade abriga imenso parque de fabricantes de autopeças e cinco montadoras (Volkswagen, Ford, Mercedes-Benz, Scania e Toyota), a maioria com ociosidade na casa de 50% e mão de obra excessiva.

Nos serviços, que eliminaram 8.114 empregos com carteira assinada em 2016 na região, os destaques negativos foram os subsetores de trans­portes e comunicações (-2.709) e de alojamento, repa­ração e ali­mentação (-1.555). A construção civil fechou 3.487 vagas e o comércio, 3.497.

grafico-caged-2016

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*