Artigo, Serviços

A escalada do autoritarismo e da incompetência

A Escalada do Autoritarismo e da Incompetência
Donizetti de Souza, autor. Foto: Arquivo Pessoal

Hoje o Brasil foi enxovalhado mundialmente por conta da incompetência e do destempero do homem que ocupa, espero temporariamente, o cardo de Presidente da República.

Mas, muito mais grave do que isso são as sucessivas investidas contra a Constituição Federal, o que já possibilitaria a cassação de seu mandato, tais como solicitar ao povo uma insurgência contra os poderes legalmente constituídos, o que demonstra sua sanha autoritária, tentando reviver um 1964 que embora nunca seja apagado de nossa história, é uma mancha escura, escrita com dor e sangue. Agora comete crime de responsabilidade ao atentar contra a segurança interna do País, crime de probidade na administração, uma vez que suas atitudes colocam em risco a governabilidade e principalmente a população.

Países tem reconhecido publicamente que erraram ao não determinarem o isolamento social para evitar a propagação do vírus.

A economia logicamente é importante, mas nada sobrepõe a vida humana.

Ele que ocupa hoje o mais alto cargo da República deveria liderar os esforços e ações contra a proliferação da pandemia, mas prefere o confronto.

É claro que um impeachment ou uma renúncia custa caro a Nação, mas o “Messias” não apareceu e a história não apenas brasileira, mas mundial demonstra que não há “Messias” para essas horas, salvo o único que existiu, mas não é o caso aqui.

Bem colocada por veículo da imprensa nacional a comparação com o Imperador romano Nero que enquanto Roma ardia em chamas, no palácio no alto da colina cantava e tocava harpa, chamando-o de BolsoNero.

Inadmissível que os destinos do Brasil sejam comandados pelo triunvirato da maldade: Eduardo, Carlos e Flávio que formataram e dirigem o chamado “gabinete do ódio” evidente mundialmente. O governo não é uma confraria!

Sendo repetitivo, a economia é importante, indispensável, mas essa defesa desenfreada demonstra a quais senhores ele serve, cujo objetivo é o lucro.

Toda quebra institucional é prejudicial, politicamente, economicamente, socialmente, mas principalmente psicologicamente. Mas é melhor mais uma dor no momento, uma vez que Sua Excelência perdeu todas as chances de governabilidade. Se ele não tem a grandeza de renunciar e evitar conflitos que o Congresso Nacional e a sociedade civil organizada se tornem protagonistas nesse tabuleiro e o apeiem do poder agora.

Uma frase recente exemplifica a situação, é muito melhor que tenhamos falidos do que falecidos!

Donizetti de Souza
É jornalista e articulista político

O texto acima reflete a opinião do autor e não do Grupo Diário Regional, que se isenta de qualquer responsabilidade  sobre o tema tratado. 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*