Comportamento, Serviços

A covid e a impossibilidade de vivenciar o luto

Cláudia: “a covid traz a incerteza e o medo do futuro”. Foto: Divulgação
Cláudia: “a covid traz a incerteza e o medo do futuro”. Foto: Divulgação

A impossibilidade de vivenciar o luto que vem junto com a gravidade de casos da covid 19 é uma das faces mais cruéis da doença. A afirmação é de Cláudia Barroso, psicanalista que há mais de dez anos trata famílias que receberam diagnósticos médicos difíceis em seu programa Bem Me Care.

“A covid é uma doença ain­da desconhecida, que tem desdobramentos diferentes em cada pessoa, que traz junto com o diagnóstico uma incerteza, um medo do futuro e isso, por si só, já é de um impacto grande nas famílias”, destacou.

Cláudia Barroso auxi­lia famílias a lidarem com as mudanças que as doenças, síndromes ou situações envolvidas trazem para o novo contexto.

“Alguns aspectos do desenrolar dessa doença pervertem tudo o que conhecíamos até agora em relação a ter um ente adoecido na família. Nosso comportamento padrão é se colocar imediatamente no lugar daquele que ‘não está doente’, se diferenciando ‘daquele que está doente’ e, a partir desse posicionamento psíquico, eu posso destinar minha energia e meus cuidados ao adoecido”, explica Cláudia.

Com o coronavírus esse movimento é impedido. “Eu reco­nheço o outro adoecido, mas, além de não poder cuidar dele, eu ainda preciso me preservar pois também não estou livre de adoecer, essa dinâmica nunca existiu antes.”

MEDO

Segundo Cláudia, agora as pessoas sentem medo pelo outro, mas também por si mesmo. “Na eventual morte daquele que estava doente, eu não consigo me entregar totalmente ao processo de luto, porque ainda estou lutando para preservar minha própria vida. O processo de luto é impedido pela ausência dos rituais, mas também porque o processo psíquico não está totalmente voltado para isso”, afirma.

“A covid tem tirado das famílias o direito de vivenciar os rituais aos quais estamos acostumados, e isso apavora as pessoas e vai deixar sequelas, certamente”, complementa.

Obter ajuda profissional nesse momento é extremamente importante. “No Bem me Care, auxiliamos as famílias a olharem para todos os aspectos emocionais envolvidos e ajudamos a pensar nas questões práticas que às vezes são esquecidas ou negligenciadas. Cada família tem sua particularidade, que precisa ser identificada e respeita­da”, enfatiza a psicanalista. “É preciso que os familiares estejam emocionalmente mais fortes, para que os desdobramentos da doença, sejam eles quais forem, possam ser lidados de uma forma mais psiquicamente saudá­vel.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*