Economia, Notícias

Inflação de junho medida pelo IPCA é a menor desde novembro de 2018

Inflação de junho medida pelo IPCA é a menor desde novembro de 2018
Queda de 2% na gasolina, sozi­nha, tirou 0,09 ponto porcentual do índice. Foto: Arquivo

Com alimentos, gasolina e energia mais baratos na passagem de maio para junho, a inflação ficou estável no mês passado. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,01%, menor variação mensal do indicador desde novembro de 2018, quando houve queda de 0,21%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O indicador, usado nas metas de inflação perseguidas pelo Banco Central, só não ficou negativo porque as passagens aéreas e os itens de higiene pessoal ficaram mais caros. Os bilhetes de avião subiram 18,9%. Sozi­nho, esse item acrescentou 0,07 ponto porcentual (pp) ao IPCA de junho, maior impacto de alta. A alta de 2,19% no perfume turbinou o subgru­po higiene pessoal, enquanto a queda de 2% na gasolina, sozi­nha, tirou 0,09 pp do índice.

Embora muitos analistas do mercado financeiro es­pe­rassem queda no IPCA de junho, a ligeira alta não mudou muito as avaliações. A inflação segue baixa, com espaço para o BC reduzir a taxa básica de juros, hoje em 6,5% ao ano. Em 12 meses, o IPCA avançou 3,37%, abaixo da meta de 4,25% para 2019.

“O cenário para corte de juros se dá pelo quadro prospectivo (de inflação), que melhorou, e pela desaceleração da atividade na margem”, disse o economista-chefe do Haitong Banco de Investimento do Brasil, Flávio Serrano. Em outras palavras, o baixo crescimento econômico esfria a demanda, dificultando reajustes de preços.

DÓLAR

O cenário de inflação comportada inclui cotação do dólar em baixa (por causa do avanço da reforma da Previdência e do sinal de queda de juros nos Estados Unidos, dado ontem pelo presidente do banco central americano, Jerome Powell), gasolina e conta de luz com alta contida e a perspectiva, recente, de que os efeitos da peste suína africana na China sobre os preços das carnes ficarão para 2020.

O economista-chefe da Ativa Investimentos, Carlos Thadeu de Freitas Gomes Filho, é um dos que “deslocou” o impacto inflacionário da peste suína do IPCA de 2019 para o de 2020. Agora, Freitas Filho está com projeção de IPCA de 3,56% no ano fechado, abaixo da meta de 4,25%. “Houve um abate antecipado de matrizes que viraram estoque, o que faz com que os preços consigam se segurar até o fim do ano, quando a China deve começar a comprar (carne suína de maneira) mais forte”, disse o economista.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, também não descarta a possibilidade de a inflação fechar 2019 perto de 3,5%, diante da expectativa de que a economia continuará desaquecida. Os “bons números” de inflação desde maio e a expectativa de que serão favoráveis também em julho ajudam a compor quadro inflacionário sob controle este ano, disse Vale.

A economia desaquecida se reflete na inflação de serviços. O economista Fábio Romão, da LCA Consultores, lembrou que as projeções para os preços de serviços este ano têm caído, na esteira das revisões para baixo no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). A LCA reduziu a projeção do IPCA de serviços de 4,3%, no início do ano, para 3,8% agora.

Em junho, os serviços tiveram alta de 0,34%, ante um recuo de 0,11% no IPCA de maio. Em 12 meses, o IPCA de serviços de junho acumulou alta de 3,96%. Segundo Fernando Gonçalves, gerente de Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE, a aceleração na passagem de maio para junho é explicada pelas passagens aéreas, sem pressão de demanda.

A própria alta nas passagens, cujos preços são muito voláteis (vinham de uma queda de 21,82% em maio), pode ser pontual.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*