Economia, Notícias

Redução no preço da gasolina ainda não chegou aos postos de combustível do ABC

Segundo a ANP, os postos da região ainda não acompanharam a queda promovida pela Petrobras. Foto: Arquivo

A redução de 7,2% no preço da gasolina vendida nas refina­rias, que foi anunciada pela Pe­trobras no dia 31 de maio, ain­da não chegou aos bolsos dos consumidores do ABC. Ao menos é o que mostra o levantamento realizado na semana passada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo a pesquisa, com da­dos compilados pelo Diário Regional, o preço do combus­tível manteve-se praticamente estável na semana passada. A gasolina foi vendida, em média, por R$ 4,275 o litro nos postos de seis dos sete muni­cípios (não há coleta de dados em Rio Grande da Serra), valor apenas 0,32% inferior ao apurado no levantamento anterior (R$ 4,289), rea­lizado entre os dias 25 de maio e 1º de junho.

O corte promovido pela Pe­trobras entrou em vigor no primeiro dia deste mês e foi precedido de outra redução, de 4,4%, anunciada pela estatal no dia 24 de maio para os preços praticados em suas refinarias.
A petrolífera decide sobre os preços dos combustíveis com base em indicadores como a cotação internacional do petróleo e do câmbio, mas a sistemática em vigor desde setembro prevê o uso de operações de hedge pa­ra permitir maior espaçamento entre os reajustes.

Porém, as duas reduções não chegaram às bombas. Prova disso é que o preço da gasolina no ABC está em patamar apenas ligeiramente inferior ao de meados de maio (R$ 4,290), o mais elevado deste ano.
Segundo a pesquisa, Diadema tem a gasolina mais barata da região, com preço médio de R$ 4,193, enquanto São Caetano tem a mais cara (R$ 4,448).

ETANOL

Ainda segundo a agência, o etanol foi vendido, em média, a R$ 2,689 o litro nos postos do ABC na semana passada, valor 1,72% inferior ao apurado na pesquisa anterior (R$ 2,736).
Trata-se da quinta redução semanal consecutiva no preço médio do reno­vável nos esta­belecimentos da região.

A queda nos preços reflete a maior oferta do etanol no mercado, por conta do início da sa­fra 2019-20 da cana de açúcar.
Desde o início de maio, o preço médio do renovável no ABC caiu cerca de 30 centavos. Especialistas, no entanto, apostam que a trajetória descendente não deve durar muito tempo, uma vez que, com o açúcar mais atrativo, a produção de etanol deve diminuir na safra atual.

O etanol segue vantajoso para os proprietários de veículos flex pela quinta semana conse­cutiva. O preço médio do renovável nos postos da região corresponde a 62,9% do va­lor da gasolina.

O consumidor deve fazer o cálculo para saber como está a relação no posto em que costuma abastecer. O etanol é vantajoso quando a paridade é inferior a 70%. Aci­ma de 70,5%, a gasolina é a mais compe­titiva. Entre 70% e 70,4%, o uso é indiferente. (Reportagem Local)

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*