Economia, Notícias

Fórum promove discussão sobre rumos do desenvolvimento sustentável no ABC

Fórum promove discussão sobre rumos do desenvolvimento sustentável no ABC
Chantre, da Braskem, apresentou o projeto PE Verde. Foto: Divulgação

Santo André realizou na última segunda-feira (13), o Fórum ABC da Sustentabilidade. Reali­zado no Hotel Blue Tree Towers, o evento reuniu ambientalistas, representantes do setor privado e público e estudantes para uma rodada de painéis sobre os caminhos da sustentabilidade e do desenvolvimento econômico aliado ao meio ambiente.

Para o idealizador do Fórum, o jornalista Marcos Fidelis, a noite foi construtiva para conhe­cer o que tem sido feito sobre o tema no ABC. “Daqui saímos com nova perspectiva, ali­viados em saber que todos caminham pensando no futuro. Não há co­mo pensar em novo boom eco­nômico sem lidar com o verde.”

A Braskem, apoiadora do evento, apresentou, por meio de seu diretor de Relações Públicas, Flávio Chantre, o Polietileno Verde, ou PE Verde, produto 100% brasileiro, renovável e sustentável. Feito com etanol da cana de açúcar, o processo colabora para redução da emissão de gases do efeito estufa.

Chantre ainda destacou o Aquapolo, projeto que faz com que 100% do processo industrial no ABC seja de água de reúso, iniciativa que põe a Braskem em destaque como empresa verde. “Temos o compromisso de dar o melhor destino aos resíduos gerados em nosso processo industrial. Metade dos resíduos são tratados em Mauá e Santo André”, disse. Esse último nú­me­ro garante que a geração de resíduos da Braskem seja menor que a média do setor no país, segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

O superintendente do Serviço de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa), Almir Cicote, apresentou o Moeda Ver­de, iniciativa da prefeitura em conjunto com a autarquia que promove a distribuição de hortaliças em troca de resíduos que poderiam ser descartados incorretamente.

A professora e pesquisadora da Universidade de São Caetano (USCS), Marta Marcondes, apresentou o projeto Billings: Águas que educam. Para a pesquisadora, eventos como esse destacam a importância da discussão sobre a situação dos nossos reservatórios. “Os índices de qualidade de água do reservatório Billings não estão bons. Por isso, é necessário um novo olhar, uma nova política sobre nossas bacias”, afirmou.

 

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*