Esportes, Futebol, Paulistão

Santo André perde do Água Santa, mas está de volta à elite do Campeonato Paulista

Santo André perde do Água Santa, mas está de volta à elite do Campeonato Paulista
O Santo André comemorou o acesso no Inamar um ano depois de ser rebaixado. Foto: Ricardo Trida/FPF

O Santo André superou o favoritismo do Água Santa e está de volta à elite do Campeonato Paulista. Em um lotado Inamar, a equipe perdeu por 3 a 2 para o Netuno na manhã deste domingo (21), mas garantiu o acesso à principal divisão do Estadual – da qual foi rebaixado no ano passado – por ter vencido o jogo de ida por 2 a 0, no estádio Bruno José Daniel, no fim de semana passado.

Além de retornar ao Paulistão em 2020, o Ramalhão vai disputar a final da Série A2 contra o Internacional, que superou o XV de Piracicaba nos pênaltis, após dois empates (0 a 0 e 2 a 2). Ao Netuno, resta torcer para que a anunciada fusão entre Bragantino e Red Bull Brasil abra mesmo uma vaga na primeira divisão, a qual seria preenchida pela equipe de Diadema, como terceira colocada da A2 deste ano.

 

O JOGO

O Santo André adiantou sua marcação nos primeiros minutos com o objetivo de impedir a blitz inicial do Água Santa, e conseguiu. A equipe da casa tinha a iniciativa da partida e chegava ao ataque, mas não dava trabalho para Tomazella – o máximo que conseguiu foram três escanteios.

O Ramalhão, por sua vez, exercia forte marcação no meio-campo. Em uma bobeada de Lombardi, aos 19, Cristian roubou a bola, partiu em direção à área e chutou. Rafael desviou e a bola explodiu no travessão.

O Netuno levou perigo a Tomazella pela primeira vez no jogo aos 24 minutos com o lateral-esquerdo Bruno Recife, que apareceu bem na grande área e chutou por sobre o gol. Seis minutos depois, o zagueiro do Água Santa se redimiu da falha anterior e abriu o placar. Celsinho cobrou falta pelo lado esquerdo e encontrou Lombardi, que desviou de cabeça na grande área e mandou para as redes.

Porém, o Santo André reagiu rapidamente e chegou ao empate aos 36 com Raphael Toledo, que acertou belíssimo chute da intermediária no ângulo direito de Rafael. Indefensável. O gol assustou a equipe da casa e calou os “aquáticos”, que lotaram o Inamar.

Pressionado pela necessidade de vencer ao menos por dois gols de diferença, o técnico do Água Santa, Márcio Ribeiro, mexeu no intervalo, sacando o volante Serginho e colocando o atacante Erick em seu lugar. Do outro lado, Fernando Marchiori trocou seus atacantes: tirou Jobinho e pôs Carlos Alberto, recuperado de lesão.

A substituição deixou o Água Santa exposto. A equipe da casa se aproveitou e chegou à virada aos oito minutos. Após bola erguida na área do Netuno, Heliton ajeitou de cabeça e Anselmo apareceu livre para mandar para as redes: 2 a 1.

Porém, a pequena torcida do Ramalhão presente no Inamar não teve tempo para comemorar e, dois minutos depois, o Água Santa chegou o empate. Bocão levantou bola da direita, Celsinho subiu no meio da zaga e desviou de cabeça no canto direito de Tomazella, que só observou.

Márcio Ribeiro mexeu novamente na equipe, colocando Everton no lugar do apático Kaike e Dadá no de Alvinho. Porém, na sequência, Luizão teve câimbra e, como o Água Santa havia feito três substituições, o técnico mandou o zagueiro – que permaneceu em campo no sacrifício – para o ataque.

A torcida sentiu a dificuldade e emudeceu. O Santo André mantinha o jogo em “banho maria” até os 44 minutos quando, em levantamento na área do Ramalhão, a bola bateu no braço do zagueiro Ícaro e o árbitro Flávio Rodrigues de Souza marcou pênalti. Dadá bateu com estilo e colocou o Netuno novamente à frente do placar.

O gol pôs fogo novamente no jogo e, com sete minutos de acréscimo, a torcida voltou a ter esperança. Porém, faltou força e inspiração ao Água Santa, que não conseguiu chegar ao quarto gol e sucumbiu ao Santo André mais bem organizado e que cresceu muito nos mata-matas.

“Fizemos um grande jogo. Sabíamos que o adversário tinha melhor campanha, mas tudo muda no mata-mata. O time soube fazer o resultado na primeira partida e foi inteligente no segundo”, disse o volante Cristian, um dos destaques da bem-sucedida campanha do Santo André na Série A2.

 

ÁGUA SANTA 3 X 2 SANTO ANDRÉ

Gol: Lombardi, aos 30, e Raphael Toledo, aos 36 minutos do primeiro tempo. Anselmo, aos oito; Celsinho, aos dez, e Dadá, aos 45 minutos da segunda etapa. Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza. Renda: R$ 39.515 (7.183 torcedores). Estádio: Inamar, em Diadema, na manhã deste domingo (21).

ÁGUA SANTA

Rafael; Bocão, Lombardi, Luizão e Bruno Recife; Serginho (Erick), Diogo Marzagão e Celsinho; Luan Dias, Alvinho (Dadá) e Kaike (Everton). Técnico: Márcio Ribeiro.

SANTO ANDRÉ

Tomazella, Rhuan, Ícaro, Heliton e Denis Neves; Johnnathan, Raphael Toledo e Cristian (Fabrício Rodrigues); Jobinho (Carlos Alberto), Anselmo e Maykinho (Guilherme Garré). Técnico: Fernando Marchiori.

 

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*