Economia, Notícias

São Caetano concede R$ 100 mi em incentivos à GM, mas espera retorno de R$ 1,1 bi

São Caetano concede R$ 100 mi em incentivos à GM, mas espera retorno de R$ 1,1 bi
Auricchio cumprimenta Munhoz durante apresentação de projeto de lei. Foto: Letícia Teixeira/PMSCS

O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), entregou na tarde desta terça-feira (19) à Câmara Municipal projeto de lei que visa criar na cidade o Programa de Incentivo à Indústria Automotiva (ProAuto) e conceder benefícios fiscais à General Motors.

Mais cedo, a montadora confirmou investimento de R$ 10 bilhões entre 2020 e 2024 para o desenvolvimento de novos produtos e a modernização das fábricas de São Caetano e de São José dos Campos, no Vale do Paraíba.

O presidente da Câmara, Pio Mielo (MDB), afirmou que a proposta será analisada pelas comissões permanentes da Câmara ao longo desta semana e será votada em primeiro e segundo turnos na próxima terça-feira (26). Assim, segundo Auricchio, a expectativa é que o projeto seja sancionado e entre em vigor ainda este mês.

O ProAuto prevê a isenção total do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e a redução de 5% para 2% da alíquota do Imposto Sobre Serviços (ISS) pelo período de oito anos. Além disso, o Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental (Saesa) vai conceder descontos nas tarifas de água e de esgoto.

Auricchio explicou que o programa prevê renúncia fiscal de R$ 100 milhões ao longo dos oito anos, mas projeta aumento na arrecadação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) com a venda dos novos produtos, o que resultará em ganho de receita de R$ 1,1 bilhão para o município no mesmo período.

“Sou cidadão sul-são-caetanense e vivi 94 dias de muita preocupação, desde que saímos de Detroit (onde está a matriz da GM, nos EUA) com a triste decisão (da suspensão de investimentos no país). Porém, enfrentamos o desafio e, com esse anúncio, temos um dia emocionante”, disse o vice-presidente da GM Mercosul, Marcos Munhoz.

Auricchio lembrou que, no início do ano, quando soube da intenção da matriz da GM de fechar unidades no Brasil, o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do ministério da Economia, Carlos da Costa, teria respondido: “Se tiver de fechar, fecha”. “Para nós, essa posição é absolutamente repudiante. Em São Caetano, vamos lutar muito ainda que seja pela manutenção de um único emprego, quanto mais pela manutenção da maior montadora do país”, afirmou o tucano.

“A decisão da matriz da GM de fechar unidades no Brasil, há 94 dias, teria tudo para ser uma tragédia para São Caetano. Com o esforço de todos, conseguimos transformá-la em uma boa notícia, de preservação dos empregos e manutenção da unidade por pelo menos mais um ciclo de desenvolvimento e venda de produtos”, prosseguiu Auricchio.

Além de preservar os empregos de mais de 13 mil funcionários, sendo 9 mil em São Caetano e 4,4 mil em São José dos Campos, os investimentos permitirão a abertura de mais 400 vagas diretas e 800 indiretas. Munhoz, entretanto, não precisou como será a divisão de novos postos de trabalho entre as unidades.

O executivo também não disse como será a divisão dos R$ 10 bilhões em investimentos, mas revelou que a planta do Vale do Paraíba deve receber “um pouco mais”, já que, diferentemente de São Caetano, não tem recebido aportes nos últimos anos.

Atualmente, a fábrica de São Caetano produz os modelos Cobalt (sedã), Spin (minivan) e Montana (picape), além de versão mais em conta do Onix (hatch), carro mais vendido do país, e de SUV de pequeno porte que começará a ser feito até o final do ano. A unidade de São José, por sua vez, produz a picape média S10 e o SUV Traiblazer.

No início deste mês, o governador João Doria (PSDB) lançou o programa IncentivAuto, que prevê desconto no ICMS gerado na venda de novos veículos a serem produzidos no Estado e foi concebido para evitar o fechamento de fábricas da GM. Para aderir ao plano, as montadoras precisam investir ao menos R$ 1 bilhão e gerar no mínimo 400 postos de trabalho. Para ter direito ao desconto máximo de ICMS (25%), é preciso investir ao menos R$ 10 bilhões, justamente o valor anunciado pela GM.

 

 

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*