Últimas notícias

‘Sou um cara de negócios’, diz ex-assessor de Flávio Bolsonaro

O ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, afirmou em entrevista ao Jornal do SBT que parte da movimentação atípica de R$ 1,2 milhão revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo vem da compra e venda de carros. É a primeira vez que o ex-assessor fala das inconformidades apontadas no relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Queiroz disse ainda que não é “laranja” e se negou a explicar os depósitos feitos em sua conta por funcionários do gabinete e familiares empregados pela família Bolsonaro.
“Sou um cara de negócios. Eu faço dinheiro”, disse Queiroz, em entrevista ao SBT. “Compro, revendo, compro, revendo, compro carro, revendo carro, sempre fui assim”, afirmou.

Segundo o relatório do Coaf, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. Uma das movimentações consideradas atípicas foi o depósito de um cheque de R$ 24 mil na conta da futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro – no início de dezembro, Jair Bolsonaro disse que o cheque era o pagamento de um empréstimo.

O Estado de S. Paulo reve­lou ainda que funcionários dos gabinetes de Flávio, na Assembleia Legislativa do Rio, e de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, chegaram a depositar 99% do que receberam no período na conta de Queiroz, e que a maioria das transferências foi feita na mesma semana da data de pagamento. Na en­trevista, Queiroz se mostrou nervoso ao ser questionado sobre essas transações.

“Esse mérito do di­nheiro, quero explicar ao MP. Por duas vezes, Queiroz alegou problema de saúde para não comparecer aos depoimentos que seriam prestados ao Ministério Público, marcados para os dias 19 e 21 deste mês. “Não sou laranja. Sou homem traba­lhador.”

O ex-assessor de Flávio afirmou que sua renda mensal era de cerca de R$ 23 mil, somados os pagamentos co­mo assessor do gabinete de Flávio e a aposentadoria da Polícia Militar. Sobre os depósitos feitos em favor de Michelle Bolsonaro, Queiroz disse que “nosso presidente já esclareceu”. “Tinha um empréstimo de R$ 40 mil. Foram 10 cheques de R$ 4 mil. Nunca depositei R$ 24 mil.”

O ex-assessor se mostrou nervoso ao ser questionado sobre as transações entre ele e servidores e se emocionou ao falar da doença que o impediu de prestar depoimento ao Ministério Público do Rio. Queiroz afirmou que precisará fazer uma cirurgia por causa de um tumor maligno no intestino, apesar de dizer que ainda não havia resultado da biópsia. “Não estou fugindo do MP”, disse.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*