Economia, Notícias

Morando avalia programa Rota 2030 como ‘positivo, mas atrasado’

Prefeito avalia novo programa de incentivos do setor automotivo como ‘positivo, mas atrasado’
Morando: “quanto mais o governo atrasa o anúncio de benefícios, maior é a demora em receber investimentos”

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), avaliou como “positivo, mas atrasado” o Ro­ta 2030, novo programa de incentivos à indústria automotiva, anunciado na últi­ma quinta-feira (6) pelo pre­­si­dente Michel Temer.

O programa substitui o Ino­var Auto, que expirou em dezembro do ano passado e foi condenado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) por ferir as regras internacionais sobre protecionismo.

São Bernardo é sede de cinco montadoras de veículos: Volkswagen, Ford, Mercedes-Benz, Scania e Toyota.

“(O programa) é uma medida importante, mas atrasada. A Anfavea (Associação Na­cio­nal dos Fabricantes de Veículos Automotores) já dialogava com o governo há muito tempo. O setor poderia ter retido investimentos, porque a indústria está presente no mundo inteiro e quanto mais o governo atrasa o anúncio de benefícios, maior é a demora em receber investimentos”, disse Morando, ontem (11), durante a cerimônia de anúncio de unidade do Sonda Supermercados na cidade.

O Rota 2030 terá duração de 15 anos. Entre seus principais pontos estão a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veí­culos híbridos e elétricos, que são menos poluentes; e a possibilidade de empresas que investirem em pesquisa e desenvolvimento gerarem créditos fiscais. Esses créditos poderão somar no máximo R$ 1,5 bilhão anuais para a indústria como um todo.

Morando lembrou que, re­centemente, Volks, Mer­­cedes-Benz e Scania anuncia­ram investimentos na cidade.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*