Copa do mundo, Esportes

Tite evita falar sobre futuro na seleção brasileira

Tite evita falar sobre futuro na seleção brasileira
Tite transmite instruções a Philippe Coutinho e Neymar durante a partida contra a Bélgica. Foto: Eduardo Knapp/Folhapress

O técnico Tite entrou na sala de imprensa da Arena Kazan com os olhos marejados após a eliminação contra a Bélgica nesta sexta-feira (6), pelas quartas de final da Copa do Mundo. O técnico não quis comentar se segue à frente da seleção brasileira até o Mundial do Qatar.

“É inapropriado falar sobre futuro. É um momento de muita emoção. Não tenho como te responder essa pergunta”, disse o treinador, que assumiu o cargo em 2016 e tem contrato até o fim desta Copa do Mundo, mas ainda não definiu seu futuro.

A seleção sofreu dois gols no primeiro tempo em falhas individuais do volante Fernandinho. No primeiro, o jogador fez contra após cruzamento na área. No segundo, perdeu bola para Lukaku no meio-campo em lance que originou contra-ataque para De Bruyne ampliar.

Perguntado sobre as falhas, Tite não quis falar sobre os erros do atleta. “Não vou entrar em individualidades porque é desumano. Entendo o futebol, mais do que a vida, como um contexto. Foi um grande jogo. Tive­mos a maior parte de domínio. Porém, na efetivi­dade, a Bélgica conseguiu tra­du­zir em gols”, disse Tite.

O treinador do Brasil aproveitou para elogiar a atuação da Bélgica e quase se emocionou ao falar de um dos últimos lances da partida, quando Courtois defendeu com a ponta dos dedos chute de Neymar.

“A Bélgica tem jogadores tarimbados: Lukaku, De Bruyne, Hazard, Kompany, Courtois, que estava iluminado. Neymar bateu a última bola, eu levantei para gritar e ele tirou de mão trocada”, relembrou Tite.

De acordo com as estatísticas da Fifa, o Brasil deu 26 chutes ao gol da Bélgica. Os europeus finalizaram oito vezes. Para o técnico brasileiro, os belgas foram mais competentes.

“Não gosto de falar em sorte. O futebol tem o aleatório, mas não considero sorte. Sorte quando é a nosso favor é uma maneira educada de as pessoas desprezarem nossa competência. É do jogo. Sorte, acreditem, não é. O Courtois esteve bem, fez grandes defesas. Não deu, vou fazer o quê? Mas sorte, não. A Bélgica não teve sorte, teve competência”, avaliou Tite.

Tite tem 26 jogos à frente da seleção brasileira, com 20 vitórias, duas derrotas e quatro empates. Sofreu apenas oito gols, seis deles de bola aérea, como o primeiro da Bélgica.

DOR

Durante toda a entrevista, o técnico da seleção ficou com os olhos marejados e rejeitou falar sobre futuro no time brasileiro.

“A dor talvez fique mais aflorada na hora. Está muito difícil falar com vocês. O sentimento é amargo, pesado, está difícil. Talvez pesem os 30 anos de carreira para ter discernimento e falar agora. Uma coisa é certa: o torcedor enxerga. Talvez por isso reconheça e passe esse carinho”, afirmou Tite.

“Não quero falar de futuro, estou aflorado. Não quero ser demagogo aqui e colocar do meu sentimento. Já explanei o orgulho de trabalhar com eles (jogadores). Talvez tenha faltado competência, mas não dedicação plena”, continuou.

A seleção brasileira deve deixar a Rússia hoje. A Bélgica segue na briga pelo título mundial e encara a França na próxima terça-feira (10), em São Petersburgo.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*