Mauá, Política-ABC, Sua região

Justiça determina prisão preventiva de prefeito e do secretário de Mauá

Justiça determina prisão preventiva de prefeito e do secretário de Mauá
Atila disse que acredita na Justiça e que nada tem a esconder. Foto: Arquivo

O desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), Mauricio Kato, determinou ontem (11) a prisão preventiva do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), e do secretário de Governo e Transporte, João Gaspar (PCdoB). Os dois gestores estão detidos desde a quarta-feira na sede da Polícia Federal, em São Paulo, e acusados de lavagem de dinheiro. A PF encontrou na casa de Gaspar R$ 588.417 e € 2.985 e na de Atila, R$ 87 mil. O montante não tinha origem justificada.

De acordo com o advogado de defesa da Atila, a alegação para a prisão preventiva, que não tem prazo de duração definido, foi a quantia apreendida com o secretário. “O valor que estava em posse do prefeito foi todo justificado com apresentação de documentos e recibos”, informou Daniel Bialski. “Amanhã vou entrar com pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal de Justiça e acredito que no início da semana já seja julgado. Vamos pedir uma liminar anulando essa prisão”, completou.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Mauá informou, por meio de nota, que Atila permanece no exercício de seu cargo público e com manutenção de todos os seus direitos políticos. “A defesa de Atila impetrará habeas corpus perante o STJ (Superior Tribunal de Justiça), visto que a decisão carece de motivação válida, argumentos idôneos e necessidade”, informou a nota.

“Aliás, reforçamos que se fez demonstração hábil de que todos os valores encontrados em sua residência têm lastro, origem lícita e são oriundos de salários, aluguéis e saques de pensão. Diga-se, ainda, que na operação deflagrada não há citação de qualquer envolvimento do prefeito Atila Jacomussi em ilicitude ou atos de improbidade”, afirmou a assessoria.

“O prefeito Atila reforça que acredita na Justiça, continua a colaborar com as investigações e que nada tem a esconder”, concluiu a comunicação.

Apesar do que informou a assessoria e o advogado do prefeito, nos autos da decisão, cujo teor o Diário Regional teve acesso, o desembargador registrou que “a despeito de ter a defesa alegado a origem lícita dos valores encontrados em sua residência, esta versão não é verossímil e não se coaduna com sua renda declarada”. O documento ressalta que foi apreendida vultosa quantia em dinheiro na residência do prefeito e do secretário e que o socialista foi apontado como participante do esquema de oferecimento de vantagens indevidas a servidores e agentes públicos em troca de promessa de futuros contatos públicos.

Afastamento

O especialista em Direito Eleitoral Arthur Rollo explicou que mesmo preso Atila continua sendo o prefeito de Mauá. “Se ficar mais do que 15 dias preso a Câmara vai precisar deliberar sobre o afastamento, se autoriza ou não que se afaste”, detalhou. “O Legislativo também pode iniciar processo de cassação do mandato pelos mesmos motivos da prisão”, completou. O presidente da Câmara, Admir Jacomussi (PRP), responsável por conduzir os processos caso seja necessário, é pai do prefeito.

Operação Prato Feito

Atila e Gaspar foram presos durante cumprimento de mandado de busca e apreensão no âmbito da Operação Prato Feito, deflagrada na última quarta-feira. O objetivo era desarticular cinco grupos criminosos (com 29 empresas) suspeitos de desviar recursos da União destinados à educação em municípios dos estados de São Paulo, Paraná, Bahia e Distrito Federal. A polícia cumpriu 154 mandados de busca e apreensão, mas as diligências continuam. No ABC foram cumpridos 19 mandados em Mauá, São Bernardo e Santo André

2 Comentarios

  1. A casa caiu e tem que continuar caindo!
    Chega! Não há mais estômago para suportar isso.
    Aliás estou indignado com uma taxa que foi aprovada na conta de água pra que eu pague sem que eu tenha sido consultado… Depois! É preciso que se preste conta dessa cobrança absurda.

  2. Perivaldo Rodrigues da Silva

    Foi com muita sede ao pote e se afogaram, resumo a casa caiu

Deixe uma resposta