Editorias, Meio Ambiente, Notícias

Semana Mundial da Água: 64,5% dos 124 rios monitorados em São Paulo estão no limite dos padrões definidos na legislação e 31,4% estão

Na semana em que o Brasil sedia o Fórum Mundial da Água, a Fundação SOS Mata Atlântica apresenta o estudo “Observando os Rios 2018 – O retrato da qualidade da água nas bacias da Mata Atlântica“, um panorama sobre a qualidade da água de 95 rios, córregos e lagos do bioma no estado de São Paulo. Apenas 4% (5) dos 124 pontos de coleta avaliados possuem qualidade de água boa, enquanto 64,5% (80) estão em situação regular e 30,6% (38) com qualidade ruim ou péssima. Isso significa que, em 95% dos pontos monitorados no Estado, a qualidade da água não é boa e está longe do que a sociedade quer para os rios. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.

O levantamento foi realizado em 32 municípios paulistas, entre março de 2017 e fevereiro de 2018. Os dados foram obtidos por meio de coletas e análises mensais de água realizadas por 103 grupos de voluntários do programa “Observando os Rios”, com supervisão técnica da Fundação SOS Mata Atlântica. O projeto tem patrocínio da Ypê e Coca-Cola Brasil e o estudo completo, com a lista dos rios avaliados, está disponível em: https://www.sosma.org.br/quem-somos/publicacoes.

Comparativo 2017-2018
Análises comparativas com o último levantamento, realizadas em 104 pontos de coleta, apontaram tendência de recuperação dos índices de qualidade da água neste ciclo. Entre os destaques estão 4 pontos de coleta localizados no rio Tietê, nos municípios de Salesópolis e Biritiba-Mirim, em área de manancial, além do córrego Corujas e um afluente do rio Caulim, na Capital paulista.

Segundo Malu Ribeiro, coordenadora do estudo e especialista em Água da Fundação SOS Mata Atlântica, os rios de São Paulo que apresentaram melhora estão em áreas especialmente protegidas da Mata Atlântica. “Alguns rios tiveram qualidade de água boa ao longo dos ciclos de chuva e de seca. Isso evidencia a importância da conservação da floresta e das matas ciliares para a perenidade dos recursos hídricos“, destaca.

Cenário nacional
Neste ciclo, foram avaliados 230 rios, córregos e lagos de bacias hidrográficas do bioma. Apenas 4,1% (12) dos 294 pontos de coleta avaliados possuem qualidade de água boa, enquanto 75,5% (222) estão em situação regular e 20,4% (60) com qualidade ruim ou péssima. O levantamento foi realizado em 102 municípios dos 17 estados da Mata Atlântica, além do Distrito Federal, entre março de 2017 e fevereiro de 2018.

Para Marcia Hirota, diretora executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, esse levantamento é uma contribuição da sociedade, representada pelos voluntários do projeto engajados pela melhora dos rios de onde vivem e ao aprimoramento de políticas públicas que impactam na gestão da água limpa para todos. “Ao reconhecer os rios como espelhos da qualidade ambiental das cidades, regiões hidrográficas e países, conseguimos identificar rapidamente os valores da sua comunidade, a condição de saúde na bacia e de desenvolvimento“, completa.

“Para que os indicadores reunidos nesse estudo possam se traduzir em metas progressivas de qualidade da água nos milhares de rios e mananciais das nossas bacias hidrográficas, é fundamental que a Política Nacional de Recursos Hídricos seja implementada em todo território nacional, de forma descentralizada e participativa, e que a norma que trata do enquadramento dos corpos d’água seja aprimorada, excluindo os rios de classe 4 da legislação brasileira“, conclui Malu Ribeiro. A classe 4 na prática permite a existência de rios mortos por ser extremamente permissiva em relação a poluentes e mantém muitos em condição de qualidade péssima ou ruim, indisponíveis para usos.

A mais recente edição do estudo “Observando os Rios“ será um dos destaques da participação da SOS Mata Atlântica no Fórum Mundial da Água. Veja a programação completa da organização no evento em: http://bit.ly/2GDeP6N.

Waldir Beira Júnior, Presidente Executivo da Ypê, celebra a parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica na realização do Projeto Observando os Rios, que completa três anos. “A parceria permite ecoar o cuidado e o respeito de nossa empresa ao meio ambiente a cada um dos 230 rios monitorados pelos engajados voluntários. A Ypê oferece a seus consumidores produtos de alta qualidade e que possuem, ao mesmo tempo, uma ótima relação custo x benefício, além de uma pegada sustentável, gerando transformação positiva enquanto cuida. Em todos os seus processos a Ypê se preocupa e trabalha com inúmeras iniciativas que visam a evitar a geração de efluentes e desperdícios”, afirma ele.

Sobre o Observando os Rios
O programa surgiu em 1991, com uma campanha que reuniu 1,2 milhão de assinaturas em prol da recuperação do Rio Tietê e originou o primeiro projeto de monitoramento da qualidade da água por voluntários, o “Observando o Tietê”. Para agregar outras bacias hidrográficas, a iniciativa foi ampliada e passou a se chamar “Observando os Rios”. Nessa fase, com o patrocínio da Ypê e Coca-Cola Brasil, o projeto conta com 3,5 mil voluntários que monitoram 230 rios nos 17 estados da Mata Atlântica 17 estados do bioma Mata Atlântica – Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo –, e Distrito Federal.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*